Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Os dez mandamentos, versão laica.


Trago até vocês mais um texto do site da neurocientista Suzana Herculano Houzel, o qual foi citado no primeiro texto dela que postei aqui, sobre sua luta como ateia em um país que se diz laico, mas não respeita tal conceito.  


Os dez mandamentos, versão laica
Minha mãe já me mandou não me pronunciar em público quanto às minhas convicções religiosas, então farei um esforço pré-frontal para me manter quieta mais uma vez. 
De qualquer forma, pouco importa, para o que vou escrever a seguir, se acredito ou não em Deus, ou em qual deles: acima de tudo, eu acredito que o ser humano, independente de qualquer religião ou religiosidade, é intrinsicamente capaz de fazer o bem. 
Por uma razão simples: temos um cérebro capaz de se importar.
Está em minha lista de próximas leituras o livro Deus, um delírio, do Richard Dawkins.


Eu tinha pinimba com ele desde os tempos do Relojoeiro Cego e do Gene Egoísta, ainda na faculdade de biologia; além do jeito pomposo do cara escrever, algumas coisas me soavam exageradas - então fiquei aliviada de ler, anos mais tarde, o Stephen Gould explicando por que não era razoável considerar que os animais são meras "máquinas de replicação de genes".
Mas eu digressiono. 
Sentei aqui para dizer que fiz as pazes com Dawkins quando ele passou a falar de memes, e tornei-me mais uma fã desde que ele passou a defender o ateísmo (digo defender porque, aqui como em outros países, é quase um crime contra a moral pública alguém declarar-se ateu - donde a recomendação de minha mãe, observando que até o Fernando Henrique havia aprendido a dizer "se Deus quiser" em seus discursos). 
Em seu livro Deus, um delírio, Dawkins propõe novos dez mandamentos, que transcendem qualquer religião ou religiosidade. 
Simples, belos, ao alcance de todos. 
São eles:
1- Não faça aos outros o que não quer que façam com você [embora eu ainda prefira a versão positiva da Regra de Ouro: Trate os outros como você gostaria de ser tratado]
2- Em todas as coisas, faça de tudo para não provocar o mal;
3- Trate os outros seres humanos, as outras criaturas e o mundo em geral com amor, honestidade, fidelidade e respeito;
4- Não ignore o mal nem evite administrar a justiça, mas sempre esteja disposto a perdoar erros que tenham sido reconhecidos por livre e espontânea vontade e lamentados com honestidade;
5- Viva a vida com um sentimento de alegria e deslumbramento;
6- Sempre tente aprender algo de novo;                    
7- Ponha todas as coisas à prova; sempre compare suas ideias com os fatos, e esteja disposto a descartar mesmo a crença mais cara se ela não se adequar a eles;
8- Jamais se autocensure ou fuja da dissidência; sempre respeite o direito dos outros de discordar de você;
9- Crie opiniões independentes com base em seu próprio raciocínio e em sua experiência; não se permita ser dirigido pelos outros;
10- Questione tudo.

Não é o máximo? 
Dá para ser cristão, judeu, muçulmano, hindu, ateu - e seguir os mesmos mandamentos. Todos ganham, independentemente de religião, e ninguém fica de fora.

post: Marcelo Ferla
fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.