Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Curiosidades.



“Não importa o quão estreito seja o portão e quão repleta de castigos seja a sentença, eu sou o dono do meu destino, eu sou o capitão da minha alma”. – Invictus.
É difícil mensurar quantas vezes esses versos foram repetidos na literatura, no cinema ou em discursos inspiradores.
Mais de um século após ser escrito, o poema “Invictus”, do britânico William Ernest Henley continua fascinando e influenciando pessoas em todo o mundo. 
Certamente, Henley, o mais velho de seis filhos, não imaginou que tanto tempo depois suas palavras – escritas em 1875 – inspirariam um personagem importante da história não só da África, mas mundial: Nelson Mandela.
Quando aprisionado em Robben Island, onde cumpria pena de trabalhos forçados, o líder sul-africano, símbolo da luta contra o Apartheid, encontrou nas palavras de Henley a esperança e a força necessárias para manter-se vivo. 
Mandela conta que toda vez que começava a esmorecer, lia e relia o texto, em busca de um “companheiro” para a dor.  
O professor de literatura inglesa Marion Hoctor, em entrevista a CNN, explicou que o poema representa o humanismo secular, o espírito da época vitoriana, a ascensão de Darwin e as ciências como um desafio ao pensamento tradicional e criacionismo.

“Invictus” é a inspiração para o filme homônimo, de Clint Eastwood.
Leia o poema na integra

INVICTO
William Ernest Henley

Da noite escura que me cobre,
Como uma cova de lado a lado,
Agradeço a todos os deuses
A minha alma invencível.

Nas garras ardis das circunstâncias,
Não titubeei e sequer chorei.
Sob os golpes do infortúnio
Minha cabeça sangra, ainda erguida.

Além deste vale de ira e lágrimas,
Assoma-se o horror das sombras,
E apesar dos anos ameaçadores,
Encontram-me sempre destemido.

Não importa quão estreita a passagem,
Quantas punições ainda sofrerei,
Sou o senhor do meu destino,
E o condutor da minha alma.
**
Tradução: Thereza Christina Rocque da Motta
William Ernest Henley (23/08/1849 – 11/07/1903)
Nelson Mandela (18/07/1918 – 05/12/2013)

post Marcelo Ferla
Fonte das tradução: A Magia da Poesia
Continue Lendo... ►

Homens admiráveis.



RAZÕES PARA PEDIR SOCORRO

Foi uma semana dura no Rio. 
A crise na segurança pública é alarmante. 
Tiroteios, saques, ônibus incendiados, um cenário de guerra. 
Concordo com os especialistas quando dizem que é preciso ajuda federal. 
Qualquer tipo de ajuda. 
Sei das reservas que as Forças Armadas têm em participar diretamente. 
Mas algo podem fazer. 
Na área de inteligência, por exemplo. 
O importante em termos de governo é se antecipar às tragédias anunciadas por esse incessante tiroteio.
Não entendo por que a segurança pública não está no topo da agenda nacional. 
Existem, é claro, outros problemas de peso, como as reformas ou a Segunda Turma do STJ, que resolveu, por uma escassa maioria, libertar alguns presos da Lava-Jato. 
Este é um debate difícil, porque quando você contesta uma decisão como leigo, às vezes ouve argumentos pesados: ignorante em leis, autoritário. 
Os ministros Celso de Mello e Edson Fachin também acham que a libertação dos presos é inoportuna. 
Seriam ignorantes em leis, como nos querem convencer os adversários da Lava-Jato?
Um pouco de humildade bastaria para reconhecer que é um problema complexo, decidir o momento adequado para soltar os presos. 
Um bom número deles já está em casa. 
Uma referência para mim é a lógica das investigações. 
Perigo à ordem pública, destruição de provas, ocultação do dinheiro roubado, continuidade no crime, como é o caso de José Dirceu, são fatores que pesam quando se avalia um habeas corpus.
Na decisão que manteve Sérgio Cabral na cadeia, o STJ incluiu um outro fator: amenizar a sensação de impunidade que se espalha , arrasando a confiança no país. Essa sensação de impunidade se adensa com as decisões da Segunda Turma, na qual a maioria é formada por Gilmar Mendes, um adversário declarado da Lava-Jato, e dois ministros fiéis ao PT.
Cerca de 40% dos presos no Brasil são provisórios, o goleiro Bruno é um deles. 
Mas nem todos têm condições de chegar ao Supremo ou a sorte de Eike Batista e seu sócio Flávio Godinho, que aterrissaram, precisamente, na mesa de Gilmar.
A mensagem da Lava-Jato de que a lei vale para todos fica abalada. 
As pessoas acabam acreditando que nada vai acontecer. 
Existe o forte argumento de que não importa se a pessoa é poderosa ou não, a lei tem de ser aplicada. 
Mas quando é aplicada só para a minoria que dispõe de competentes advogados, é preciso ser aplicada com rigor. 
Foi uma votação apertada, que derrotou dois competentes juristas. 
Para eles e para milhões de leigos, entre os quais me incluo, foi um erro motivado pela vontade de enquadrar a Lava-Jato.
Isso não significa que ela não possa ser enquadrada por instâncias superiores da Justiça. 
Uma coisa é corrigir erros para avançar, outra é se lançar contra os procuradores como faz Gilmar Mendes, ironizando uma denúncia como “brincadeira juvenil”
A impressão que Gilmar Mendes dá é a de que quer derrotar a Lava-Jato. 
Conheço os dois lados da moeda; o ímpeto juvenil e a experiência dos velhos. 
Aprendi que esses dois fatores podem andar juntos quando há um objetivo comum. 
E o objetivo deveria ser desmantelar o gigantesco esquema de corrupção que arruinou o país.
Gilmar e os dois ministros fiéis ao PT afirmam que estão cumprindo a lei. 
Celso de Mello e Edson Fachin veem uma outra maneira de cumprir a lei. 
O choque entre essas duas concepções não é uma luta contra ignorantes e letrados, autoritários e democratas. 
É apenas uma escolha diante da qual seremos responsáveis no futuro. 
Uma escolha entre fortalecer a Lava-Jato, inclusive criticando-a, ou simplesmente engrossar a ampla conspiração para liquidá-la.
Minhas dúvidas sobre a posição de Gilmar Mendes acabaram quando ele sugeriu a anulação das delações da Odebrecht porque houve um vazamento. 
Naquela altura, com todo o Brasil e parte do continente esperando os dados para conhecer o que houve, a sugestão de Gilmar Mendes trouxe um calafrio. 
Percebi que não só estava em luta contra os procuradores da Lava-Jato, como queria derrotá-los amplamente, inclusive o seu trabalho.
Não vejo problema em ministros e procuradores discordarem ou mesmo debater em público suas diferenças. 
As coisas complicam quando a luta entre concepções distintas chega a ponto de ignorar ou mesmo sacrificar um objetivo que deveria ser comum a todo o aparato da Justiça. 
Ignoro as razões mais profundas da cruzada de Gilmar Mendes contra a Lava-Jato. Na sua formulação, está garantindo o estado de direito. 
Na prática, não só através de sentenças, frases e sugestões, está tendo uma atitude destrutiva.
O que foi revelado até agora pelas investigações, o dinheiro recuperado, as delações — tudo marcou muito o imaginário brasileiro nos últimos anos. 
Vai ser difícil derrotar a Lava-Jato. 
É poeira demais para se esconder embaixo do tapete. 
No entanto, nesta fase de sua trajetória, encontrou um forte adversário: a turma que vai julgá-la no STF.
Novo cenário, novas aflições.

post: Marcelo Ferla
fonte: http://gabeira.com.br

Continue Lendo... ►

Frases.



"Pouco mais é necessário para levar um país ao mais alto grau de opulência, a partir da mais baixa barbárie, do que paz, baixos impostos e uma tolerável administração da justiça." 
Adam Smith

post: Marcelo Ferla
Continue Lendo... ►

Frases.



"Nós pensamos na vida por analogia a uma jornada, uma peregrinação, que tem um objetivo sério no fim, e o propósito é chegar nesse fim. 
Lá está o sucesso, ou seja, lá o que for que você está procurando, talvez o paraíso, depois que você morrer.
Planos para amanhã não tem sentido nenhum a não ser que estejam em pleno contato com a realidade do presente, já que é no presente e só no presente que se vive. 
Não existe realidade a não ser a realidade presente, de forma que, mesmo que existam outras dimensões ou se vivêssemos por eras infinitas, viver para o futuro seria estar enganando-se eternamente.
Ao viver para o futuro perdemos o ponto da vida o tempo todo, deixamos de perceber que é como uma música, e você deveria cantar ou dançar enquanto a música ainda está tocando."

— Alan Watts


post: Marcelo Ferla
Continue Lendo... ►

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Dica do Blogueiro.


Com casa destruída por conflito, ‘ex-dona da Rocinha' diz que não há heroísmo no tráfico.
Júlia Dias Carneiro
Da BBC Brasil no Rio de Janeiro

Escritora namorou com o 'dono do morro' nos anos 1980.
Os novos confrontos na Rocinha, os tiroteios, as paredes esburacadas, o tanque na porta, o menino que viu morto na rua de olhos abertos, a sensação de que voltar para casa é "chegar ao inferno" - tudo isso vem dado uma sensação de déjà vu a Raquel de Oliveira.
"A história se repete", afirma a escritora e moradora da Rocinha, de 56 anos, dizendo-se triste pelo presente e "completamente cética" em relação ao futuro.
Raquel já esteve do outro lado dessa guerra, chefiando o tráfico da Rocinha, na zona sul do Rio, no fim dos anos 1980, "missão" herdada depois da morte de seu namorado, o traficante Ednaldo de Souza, o Naldo, que foi "dono do morro".
Ela revisita o passado de violência em seu primeiro romance, A Número Um (Casa da Palavra, 2015), uma obra de ficção inspirada em sua trajetória no tráfico, que incluiu três guerras na Rocinha e muitos "condenados à morte".
A mais recente guerra na maior favela do Rio, precipitada por uma disputa pelo controle do tráfico, levou a cúpula de segurança do Estado a pedir o apoio do Exército, com o envio de 950 homens das Forças Armadas à Rocinha na sexta-feira passada.
Ao ver mais um surto de violência, Raquel diz não sentir culpa nem arrependimento pelo envolvimento que teve na história violenta do local.
"Como eu poderia ir por outro caminho, se só tinha aquela estrada ali?", questiona, em entrevista à BBC Brasil. 
"Você cria a criança no meio de ladrões e quer que ela seja um empresário famoso de moda?"

Ainda criança, Oliveira ganhou a primeira arma e passou a trabalhar no jogo do bicho | Foto: Divulgação.
Ela considera ter tido muita sorte por sair de um caminho que costuma ser sem volta, "um ponto final", graças a pessoas que a ajudaram a largar o tráfico e a superar o pesado vício em cocaína, uma luta diária que a acompanha há 12 anos.
Mas diz que a Rocinha agora está "entre a cruz e a espada", temendo que o vácuo dê margem à entrada de uma nova facção criminosa ou mesmo de milicianos.
Raquel conta que começou a usar drogas aos seis anos. 
Com essa idade também foi vítima de uma tentativa de abuso do pai, pedófilo, e a mãe passou a mantê-la trancada por dias a fio em seu barraco. 
Cheirava cola para enganar a fome, depois passou para a maconha. 
Aos 9 anos, foi vendida pela avó a um bicheiro do morro. 
Aos 11 anos, ganhou sua primeira arma e passou a trabalhar "intensamente" para o jogo do bicho.
Descobriu na escrita o caminho para superar a dependência. 
Na reabilitação, foi incentivada a escrever para conseguir extravasar suas emoções, e descobriu um prazer e um talento até então insuspeitos.
Depois disso, completou o ensino médio, se formou em pedagogia em 2014, publicou poesias e contos em coletâneas da Festa Literária das Periferias (Flup) - e agora está escrevendo um novo romance, a ser publicado pela Companhia das Letras, e comemora que seu A Número Um em breve sairá em Portugal e na França e teve os direitos comprados para o cinema - o roteiro do livro está em fase de produção e o longa-metragem deve ser lançado em 2019.

BBC Brasil - Como você passou essa última semana na Rocinha? 
Sua casa foi afetada pelas trocas de tiros?
Raquel de Oliveira - A minha casa fica numa linha difícil, um beco que é caminho (rota do tráfico). 
Teve confronto aqui e a cozinha foi atingida. 
As paredes ficaram todas esburacadas, quebrou janela, porta, furou o piso de cerâmica. 
Isso começou de madrugada, eram 5h da manhã, estávamos dormindo. 
Graças a Deus o quarto é nos fundos. 
A gente colheu as balas que ficaram na parede, tinha bem umas quinze. 
E tinha dois defuntos no beco. ]
Agora tem um tanque de guerra no meu portão.

Em novo capítulo, Rocinha sofreu com conflitos relacionados à disputa do poder entre facções, até então nas mãos de Rogério 157.
Essa é a casa da minha mãe, onde moro e onde nasci. 
Eu tenho outra casinha na Rua 2, que alugava para ter alguma renda. 
Deu perda total. 
Não sobrou nada, está tudo furado de bala. 
A família (de inquilinos) saiu e nem pagou o mês. 
São barracos, né, não são casas não. 
Sou muito pobre, minha filha. 
Tudo o que o tráfico me deu, a cocaína levou. 
Cheirei tudo.
Mas eu dei sorte, não furou a minha caixa d'água, não furou o fogão nem a geladeira, não pegou em ninguém. 
Está tudo bem, graças a Deus.

BBC Brasil - A senhora nasceu na Rocinha em 1961 e assumiu o tráfico na favela nos anos 1980 depois da morte do Naldo. 
Como se sente diante de um novo conflito em torno da disputa do poder no morro?
Oliveira - Essa semana foi bem difícil. 
A história se repete. 
Fico muito triste. 
Porque foi uma guerra anunciada, tanto do lado da polícia quanto da comunidade.
O bagulho é um barril de pólvora, vinha crescendo e deu nisso. 
Acaba explodindo. 
É uma tradição da Rocinha. 
Nada que é do mal coopera para o bem. 
A tendência é as coisas entrarem nos eixos e o tráfico de drogas ser restabelecido, como foi na minha época.

Livro escrito por Oliveira será lançado em Portugal e na França, além de ir para o cinema | Foto: Divulgação.
BBC Brasil - Qual é a história que você diz que se repete?
Oliveira - Essa história da entrada da polícia e do Exército aqui. 
Teve isso quando implantaram esse fracasso da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora), teve isso quando o Nem foi preso (Antônio Bonfim Lopes, ex-chefe do tráfico na Rocinha, preso em 2011). 
Na minha época, nas operações Mosaico 1 e 2, o Exército tampou a favela (as operações Mosaico foram uma série de investidas em favelas cariocas no fim dos anos 1980, planejadas pela Polícia Federal para conter o crescimento do tráfico de entorpecentes). 
Hoje digo graças a Deus, porque foi preciso o apoio do Exército para apaziguar a situação. 
Entre aspas, né?
Enquanto não houver um programa sério para a questão da dependência química e da droga, não vamos a lugar nenhum. 
Vi um delegado falando que são os ricos de São Conrado que vêm comprar cocaína na Rocinha. 
P*rra nenhuma. 
Quem mantém o tráfico dentro da favela é o usuário regular, aquele que usa todo dia, que vende o liquidificador, a TV, o sapato, a criança, o corpo para comprar a droga. 
Esse é o usuário que banca o tráfico. 
Esse é o dinheiro que entra certinho todo dia, como um salário.
Eu conheço o Rogério 157 há muito tempo (Rogério Avelino da Silva, que estava chefiando o tráfico na Rocinha até a disputa que começou semana passada). 
Éramos conhecidos de vizinhança. 
Ele nem tinha vida no crime ainda, era um menino, normal. 
Com o tempo nessa posição (de chefe do tráfico), ele foi enlouquecendo. 
Fui a um churrasco em que ele apareceu muito transtornado, drogado, as pessoas ficaram com medo dele. 
A droga tira a noção de realidade.

BBC Brasil - Como foi para você encontrá-lo assim?
Oliveira - Nós conversamos, ele queria o meu livro. 
Eu vejo com uma certa dó. 
Não estou vitimizando ninguém. 
Mas são caminhos que a pessoa trilha que não têm volta.
Quem usa droga e vai para o tráfico, isso é um ponto final na vida do sujeito. 
Um sujeito como Rogério. 
Uma pobreza miserável. 
Virou ladrão. 
Começou a fumar maconha. 
Foi preso. 
Na cadeia, aceitou ajuda do tráfico. 
Se você tá na cadeia e aceita esse tipo de ajuda, tá ferrado. 
Porque quando sair de lá, tá escravo. 
Agora, se tivesse mais oportunidade para essas pessoas lá atrás, será que elas chegavam nesse ponto final? 
Será que as nossas cadeias estavam tão cheias?
Eu não faço apologia ao crime. 
Porque isso não é vida para ninguém. 
É aquela parada: pague para entrar, reze para sair. 
Eu até me emociono. 
Eu amo tanto a Rocinha. 
É um lugar tão rico e ao mesmo tempo tão miserável.

BBC Brasil - Você parou para pensar que, em outros tempos, poderia ter sido você por trás de parte daqueles tiros?
Oliveira - Eu tive momentos de déjà vu muito grande. 
Continuo tendo. 
Quando voltei para casa esses dias de ônibus, cheguei na Via Apia (na entrada da Rocinha) e pensei: "Chegamos no inferno"
Vi o rosto pesadão dos outros passageiros. 
Eu tinha essa sensação quando estava lutando para parar de usar droga. 
Em 2009, eu passava o dia no tratamento intensivo, jantava e vinha embora. 
O ônibus entrava na Rua 1 e eu pensava, "cheguei no inferno".
É muito difícil ter a sorte que tive de superar o uso de drogas, de encontrar a recuperação, de trilhar o rumo da literatura, de encontrar pessoas maravilhosas como o Júlio Ludemir e o Écio Salles, da Flup (os idealizadores da Festa Literária das Periferias). 
Isso me deu um objetivo de viver, tive um despertar espiritual. 
Isso é raro.

Desde sexta-feira, 950 homens das Forças Armadas foram enviados à Rocinha.
BBC Brasil - Mas olhando para toda essa violência, você se arrepende de ter sido parte disso no passado?
Oliveira - Eu não tenho arrependimento. 
Eu sinto é uma dó desgraçada de uma vida desperdiçada. 
Eu tinha grandes possibilidades. 
Eu tenho QI (quociente de inteligência) de 180. 
Consegui terminar a faculdade agora, fiz Enem, gabaritei a prova de redação, fiz poesia a partir da recuperação de drogas (Raquel começou a escrever durante o tratamento para superar o vício). 
Se eu tivesse tido uma estrutura familiar saudável e uma boa educação, onde eu estaria hoje?
Agora, eu não tenho arrependimento. 
Eu agi conforme a lei que eu conhecia. 
Como eu poderia ir por outro caminho, se só tinha aquela estrada ali? 
À minha volta era só aquilo. 
Não tinha como, meu bem.
Você cria a criança no meio de ladrões e quer que ela seja um empresário famoso da moda? 
Você não consegue colher coisa boa se só planta coisa ruim. 
Se só dá um caminho para a pessoa andar. 
Vai ser pedra até o fim.
Que outro caminho teria para uma pessoa que passou por tudo que passei? 
Fui até feliz. 
Consegui tirar o melhor do pior. 
Dei uma sorte ferrada. 
Eu poderia estar lá até hoje, ou ter morrido de arma da mão. 
Ter dado a vida em troca de nada. 
Porque tudo isso é uma ilusão. 
É uma guerra inútil.
O arrependimento desgraçado que eu tenho é do uso de drogas na minha vida, que acabou com tudo que eu poderia ter.

BBC Brasil - Você teve uma história muito sofrida já desde criança. 
O que te levou a se envolver com drogas tão cedo?
Oliveira - Eu tive uma infância miserável. 
Meu pai era pedófilo. 
Isso eu fui descobrir com 6 anos, mas graças a Deus ele não conseguiu consumar o ato. 
A minha mãe era passiva e eu fiquei trancada dentro do barraco. 
Ficava até uma semana trancada dentro do barraco. 
Eu tinha 6 anos.
Comecei a sair pela janela e a andar em cima dos telhados da favela. 
A gente passava muita fome. 
Cheirava cola para enganar a fome. 
A maconha já rolava entre os mais velhos e a gente passou a fumar também.
Quando eu tinha nove anos, a minha avó me vendeu para o sistema político vigente na época, que era o jogo de bicho. 
Isso era uma prática comum aqui e no Morro da Providência. 
E aí eu dei uma sorte danada. 
Pela misericórdia eu não fui transformada em prostituta nem usada sexualmente por esse homem que me comprou. 
Ele teve que me assumir como padrinho. 
Aí entra um sincronismo religioso. 
Ogum nasceu na terra e deu a ordem. 
O bicheiro era muito ligado a São Jorge, que na umbanda é Ogum. 
Eu dei essa sorte, aconteceram uns sinais.
Quando eu tinha 11 anos, ganhei a primeira arma e fui trabalhar no barracão do bicho. 
Limpava as armas, depois passei a fazer a contabilidade, registrar os pagamentos dos agiotas, das putas, ia recolher o dinheiro. 
Até os 15 anos, trabalhei intensamente para o jogo de bicho.

Escritora lembra que, na sua época, traficantes eram tratados como 'Robin Hoods' | Foto: Divulgação.
BBC Brasil - E depois você foi para o tráfico. 
Como você compara os dias de hoje à época em que você, e antes o Naldo, comandavam a venda de drogas no morro?
Oliveira - Hoje tem toda uma outra tendência. 
Aquela coisa de heroísmo, do bandido Robin Hood, isso aí não existe mais. 
Na minha época a gente era tratado como herói, pela falta absoluta de assistência pública, de qualquer tipo de apoio do estado, dentro das favelas.
Mas a história se repete. 
É uma história perpétua de luta pelo poder. 
Não é a luta pela boca de fumo, pelos pontos de venda de drogas. 
A droga você vende em qualquer esquina, vai ali no Baixo Gávea que tem gente vendendo. 
A disputa é pelo poder. 
Vai muito além. 
Na minha época era pelo território. 
Hoje é por poder econômico.

BBC Brasil - Como você recebeu a entrada das Forças Armadas na sexta-feira passada?
Oliveira - Eu tive que ir para o meio do fogo cruzado para buscar a minha neta na creche. 
Quando eu saí, estava lotado de bandido aqui na entrada. 
E eu gritando, eu vou passar nessa p*rra! 
Mais pra baixo, tinha um grupo de policiais acuados.
Com o tiroteio, a gente nem se lembrou que era aniversário da minha mãe. 
Ela mora comigo. 
Fez 88 anos no dia 22 (a sexta-feira em que os militares chegaram à Rocinha). Quando a situação acalmou que a gente lembrou. 
Caramba! 
É aniversário da velha. 
Aí compramos um bolinho e um sorvetinho na padaria e cantamos um Parabéns. 
O pedreiro já tinha começado a tapar os buracos de tiros na cozinha.
Eu agradeço muito essa tomada do Exército, foi primordial. 
Se não tivesse acontecido, não teríamos conseguido um pouco de paz, um período de rendição.
Mas fico muito triste que os militares só vieram para acudir depois que a situação chegou lá a São Conrado. 
Quando um ônibus foi incendiado no asfalto o secretário de Segurança Pública (Roberto Sá) e o (governador Luiz Fernando) Pezão voltaram atrás e admitiram que a Rocinha precisava de intervenção militar. 
Enquanto isso a gente estava aqui vivendo o terror.

'Não pode orar a Deus e pedir para a policia tomar conta, que vai virar milícia', lamenta escritora | Foto: Divulgação.
BBC Brasil - Em todos esses anos na Rocinha, você viu alguma melhora? 
Você tem esperança que as coisas melhorem no futuro?
Oliveira - Eu sou completamente cética. Não tenho esperança nenhuma de que vai acabar o tráfico de drogas. 
Sei o rumo que isso vai ter e só peço a Deus que não sejamos entregues nas mãos do Comando Vermelho (CV). 
Eu gostaria muito que a Rocinha continuasse nas mãos da ADA (Amigos dos Amigos), porque se for para o CV, o que vai entrar na favela é o crack, essa pá de cal (a ADA proíbe a venda da droga nas favelas que domina). Aí vou fazer minhas malas e sair daqui. 
Porque não quero ver o cenário de degradação que o crack traz.
A gente fica nessa situação, entre a cruz e a espada. 
E não pode orar a Deus e pedir para a polícia tomar conta, que vai virar milícia. 
Aí vai subir o morro e ter que pagar pedágio. 
Eu me sinto assim num cenário nostálgico, vendo a história se repetindo, se repetindo, se repetindo.

post: Marcelo Ferla

Continue Lendo... ►

Homens admiráveis.



Unicórnios existem
Me respondeu “unicórnio!” quando perguntei o que queria ser quando crescesse. 
Me deixou engasgado quando me pediu um de natal. 
Voltou pra casa indignada quando os amigos da escolinha riram ao ouvir qual era seu animal favorito. 
“Não existe!”, disseram. 
Calma, filha. 
Vamos colocar aqui no Google: “unicórnios de verdade”. 
E ali estavam. 
Fotografias de unicórnios de verdade. 
Até eu fiquei impressionado. 
Me disse: “Vamos imprimir e levar pra escola e esfregar na cara deles!”. 
Melhor não, filha. 
Se eles estão desinformados, o problema é deles.
Quando fez cinco anos começou pela primeira vez a duvidar das coisas. 
Fez uma lista de presentes de Natal (basicamente, presentes que a irmã mais velha tem e não empresta) e quando eu disse “Quanta coisa! Coitado do Papai Noel!”, ela ficou me encarando, olhinhos brilhando, sorriso maroto. 
“Coitadinho do papai...”, falou rindo, como se quisesse dizer “eu sei o seu segredo”.
Meu segredo é que eu quero que ela acredite em coisas, mas me recuso a mentir. 
Nunca direi: “Papai Noel não existe”, mas também não vou garantir que é realmente ele que entrega os presentes. 
Certamente, há mais do que os olhos vêem. 
Um mundo sem imaginação é também um mundo triste demais.
Esses dias, estávamos no taxi e apareceu um arco-íris. 
Foi o maior e mais próximo arco-íris que já vi na vida. 
Pedimos pro táxi parar e, debaixo da chuva fina, ficamos no meio da rua e tiramos uma foto perto dele. 
Foi engraçado e emocionante. 
Quando voltamos pra dentro do taxi a Aurora cochichou, pra ninguém ouvir: “Unicórnios existem”.

Claro que sim, filha. 
Enquanto você acreditar.

post: Marcelo Ferla
texto: Marcos Piangers

Continue Lendo... ►

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Comportamento.


Animação questiona relações modernas de trabalho.
Lançado em 2008, a animação El Empleo (O Trabalho), do diretor argentino Santiago Grasso, questiona as relações de trabalho modernas, na qual as pessoas são tratadas como objetos.
Em 7 minutos e sem diálogos, o filme retrata um dia na vida de um trabalhador - do café da manhã até a chegada no escritório. 
A animação ganhou mais de 100 prêmios internacionais.



Post: Marcelo Ferla

Continue Lendo... ►

Comportamento.


Há quem diga que as práticas de autoconhecimento, meditação e mindfulness são o substituto contemporâneo para a psicanálise.
POR RONALDO LEMOS


A essa altura não deve ser mais surpreendente para ninguém o fato de o Vale do Silício nos EUA ter tido sua origem ligada à contracultura dos anos 60. 
Movimentos como o dos hippies, cenas como a da new age e conceitos como a Era de Aquário, sem contar o consumo de alucinógenos, foram componentes importantes para o florescimento da tecnologia digital.
Basta lembrar o papel de Timothy Leary, escritor e psicanalista que estudou (e consumiu) a fundo o LSD. 
Ele é considerado um pioneiro da ideia de realidade virtual, e acreditava que a tecnologia seria capaz de criar novos ambientes artificiais para a existência humana. 
Grandes empresas de tecnologia, como Microsoft e Google, acham que ele estava certo. 
Todas apostam em interfaces de realidade virtual e realidade aumentada. 
Leary estaria orgulhoso do seu legado hoje.
Quem acha que esse aspecto “esotérico” da tecnologia não é mais tão relevante deve olhar com mais atenção. 
Há uma grande onda que não fica nada a dever à new age dos anos 60 relacionada ao universo da tecnologia nos dias de hoje. 
Sabe quais são algumas das atividades mais procuradas no MIT, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts? 
Os cursos de meditação, mindfulness e autoconhecimento (awareness). 
Por exemplo, um desses cursos é ministrado por ninguém menos que Joi Ito, o diretor do invejado MIT Media Lab, um dos mais importantes centros de inovação do planeta. 
O curso se chama Princípios do Autoconhecimento e trata de temas como “fronteiras entre o eu e o outro”, “não dualidade” e “prazer e dor”. 
Na bibliografia há textos de Dalai Lama, Martin Buber e Hegel. 
O curso está sempre lotado.
Há quem diga que as práticas de autoconhecimento, meditação e mindfulness são o substituto contemporâneo para a psicanálise. 
Em um mundo cada vez mais complexo, a pressão sobre o indivíduo segue aumentando exponencialmente. 
Em face disso, as ferramentas da psicanálise mostram-se insatisfatórias. 
Entre outras razões, porque seu “tempo” vai se tornando lento demais para o ritmo da vida contemporânea.

Inovação e autoconhecimento
Esse cenário deveria despertar em nós um olhar mais generoso para atividades similares que acontecem aqui no Brasil. 
Nosso país sempre foi e continua a ser uma potência espiritual. 
Há cidades místicas espalhadas por todo o país, onde o autoconhecimento é buscado: São Lourenço e São Tomé das Letras, em Minas Gerais; Visconde de Mauá, no Rio de Janeiro; Sete Cidades, no Piauí; Serra do Roncador, no Mato Grosso; e assim por diante. 
Ou o caso emblemático de Alto Paraíso, em Goiás. 
Lá, o guru Sri Prem Baba está ajudando a construir uma cidade sustentável dedicada ao autoconhecimento, em parceria com a consultoria McKinsey e outras instituições.
São lugares que atraem pessoas do mundo todo. 
Muitas delas talentos globais, ligados diretamente à tecnologia e à inovação. 
Esse circuito deveria ser apoiado, incentivado e reconhecido. 
O fato de termos potência espiritual pode nos ajudar a construir o caminho para a inovação.

post: Marcelo Ferla

Continue Lendo... ►