Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O perigo dos "alt-rights" no governo Trump.


O que pensa o polêmico grupo acusado de racismo e antissemitismo que terá representante no alto escalão do governo Trump.
João Fellet - @joaofellet
Da BBC Brasil em Washington

Simpatizantes da direita alternativa vibram com anúncio de estrategista-chefe e conselheiro de Trump.
A vitória de Donald Trump trouxe à luz um polêmico movimento nascido no submundo da internet - e que agora poderá ter um representante num cargo-chave da Casa Branca.
Simpatizantes da chamada "alt-right" (abreviação de "alternative right", "direita alternativa", em português) vibraram com o anúncio, no domingo, de que Trump nomearia o executivo Steve Bannon como estrategista-chefe e conselheiro sênior de seu governo.
Já críticos, de diferentes espectros ideológicos, inclusive da direita, dizem que a nomeação deixará o governo americano sob a influência de um movimento racista, antissemita e que acredita na superioridade dos brancos.
Bannon presidiu o Breitbart News, site de notícias que ele próprio definiu como a "plataforma da alt-right". 
Deixou a função para ser o estrategista-chefe da campanha de Trump.
O site já comparou o trabalho de uma agência que provê assistência para o aborto ao Holocausto, chamou de "judeu renegado" um comentarista conservador e aconselhou mulheres que se queixam de assédio online a sair do computador e parar de "arruinar a internet para os homens".
Para o Southern Poverty Law Center, ONG que monitora crimes de ódio nos EUA, Bannon é o principal responsável pela transformação do Breitbart News numa "máquina de propaganda etno-nacionalista branca".
Antes tido como marginal, o site ganhou importância na eleição ao apoiar ferozmente Trump em seu embate com o presidente da Câmara dos Deputados, Paul Ryan, após declarações inflamadas do candidato sobre mulheres, minorias e até veteranos de guerra.
"A extrema-direita racista, fascista estará representada a poucos passos do Salão Oval", escreveu no Twitter John Weaver, assessor do governador de Ohio, John Kasich, que concorreu com Trump pela candidatura republicana.
O chefe de gabinete nomeado por Donald Trump, Reince Priebus, que disputará com Bannon o poder de influência sobre Trump, defendeu a escolha do presidente eleito e definiu Bannon como "uma força do bem".

Chefe de gabinete de Donald Trump, Reince Priebus, defendeu a escolha do presidente eleito e definiu Bannon como 'uma força do bem'.
"Eu não vi nenhuma dessas coisas que as pessoas estão gritando sobre ele. É uma bom time, funciona", afirmou. 
Ele ainda sugeriu que as pessoas olhassem para ele, o conhecessem antes de emitir uma opinião.
Já o ex-líder da Klu Klux Klan (principal movimento supremacista branco nos EUA) David Duke elogiou a escolha de Bannon e disse que o assessor cuidará do aspecto mais importante do governo: a ideologia.
Trump já foi criticado por não se distanciar claramente da KKK.

Identidade europeia X multiculturalismo
A 'alt-right' não tem uma definição única. 
Já foi chamada de extrema-direita da era digital e agrega grupos distintos com, em comum, uma intensa atuação nas redes sociais, muitas vezes provocadora. 
Não por acaso o Breitbart News, 'plataforma da alt-right' é o quarto site do mundo em total de comentários, segundo o próprio Bannon.
O termo foi cunhado em 2008 pelo jornalista Richard Spencer, considerado um dos principais ideólogos do movimento. 
Spencer preside o National Policy Institute, que se define como uma "organização dedicada à herança, identidade e ao futuro de pessoas de ascendência europeia nos EUA".
Formado em filosofia política na Universidade de Chicago, Spencer já declarou que o ativista negro Martin Luther King Jr. (1929-1968) era uma "fraude" e um símbolo da "desconstrução da Civilização Ocidental"
Ele também afirmou que imigrantes latinos nos EUA estavam "se assimilando ao longo das gerações rumo à cultura e ao comportamento dos afro-americanos" e lamentou que o país estivesse se tornando diferente da "América Branca que veio antes".

Para Milo Yiannopoulos (acima no meio), jovens são seduzidos pela 'alt-right' pelos mesmos motivos que os jovens dos 1960 eram atraídos pela nova esquerda: 'porque ela promete diversão, transgressão e o desafio de normas sociais que eles simplesmente não entendem'.
Um artigo no Breitbart News coassinado pelo britânico Milo Yannopoulos, editor do site e tido como um dos porta-vozes da alt-right, diz que o movimento agrega várias correntes de pensamento unidas mais pelo que querem destruir do que construir.
O principal alvo do movimento é o multiculturalismo, a crença de que povos com diferentes culturas podem conviver harmonicamente num mesmo espaço. 
"A alt-right acredita que algum grau de separação entre os povos é necessário para que uma cultura seja preservada", afirma o texto.
O movimento, que defende conter a imigração nos EUA para preservar a cultura branca e europeia, abraçou com entusiasmo a candidatura de Trump e sua proposta de construir um muro na fronteira com o México.
Em agosto, a candidata democrata Hillary Clinton citou a alt-right ao acusar Trump de promover o preconceito e a paranoia na campanha. 
Ela definiu a alt-right como uma "ideologia racista emergente".
Membros do movimento agradeceram a publicidade. 
"A alt-right sempre se lembrará do dia em que você ajudou a nos tornar a verdadeira direita", tuitou um simpatizante.

Racista ou racialista?
O professor de ciência política do City College of New York Thomas Main, que está escrevendo um livro sobre a alt-right, define o movimento como "racialista".
"Racialismo é uma ideologia, a noção de que a minha identificação política está ligada à minha raça e de que eu buscarei avançar as bandeiras dela, mesmo que à custa de outras raças", ele diz à BBC Brasil.
Main distingue a alt-right de grupos como a Klu Klux Klan e neonazistas. 
"Esses são grupos violentos, quase criminosos, formados por iletrados. A alt-right não é violenta, não prega a violência".

Ex-líder da Klu Klux Klan (principal movimento supremacista branco nos EUA) David Duke elogiou a escolha de Bannon.
O professor afirma que o movimento vem ganhando corpo desde o início deste século, período em que ocorreram os ataques de 11 de Setembro, sucessivas guerras no Oriente Médio, o colapso financeiro de 2008 e a eleição do primeiro negro como presidente dos Estados Unidos.
"Esses fatos chacoalharam muitas pessoas na direita, que pensaram que o velho sistema de pensamento conservador não estava funcionando mais, que era preciso buscar outras estratégias, outras retóricas. Isso deu fôlego à alt-right."
Em sua pesquisa para escrever o livro, Main mediu o alcance dos principais sites ligados ao movimento. 
Ele afirma que, no último semestre, a audiência desses sites - Breitbart News à frente - cresceu 86% por mês e que eles tiveram em média 85 milhões de visitas mensais.
Em comparação, os principais sites da direita tradicional (como os das revistas National Review e Weekly Standard) tiveram 46 milhões visitas por mês e um crescimento mensal de 13,7% na audiência.
Apesar dos crescimento, o professor diz que o movimento ainda é pouco conhecido nos EUA, embora possa ter tido um papel relevante na eleição.
Ele afirma que a alt-right "forneceu ideias e um vocabulário que foram usados por muitos dos apoiadores de Trump, e nesse sentido pode ter sido útil para a vitória dele".

Chefe de gabinete de Donald Trump elogiou a escolha do presidente eleito.
Durante a campanha, simpatizantes da ideologia identificada com a 'alt-right' inundaram as mídias sociais com memes favoráveis ao candidato. 
Essa atuação intensa nas mídias sociais já levou o movimento a ser classificado de extrema-direita da era digital.
Em agosto, após trazer Steve Bannon para a campanha, o candidato negou manter qualquer laço com a alt-right e disse que "ninguém sabe o que é isso"
De fato, a maioria dos americanos desconhece a denominação, mas a chance de já ter se deparado com as ideias expressas por simpatizantes é grande.
O ex-presidente da Câmara dos Deputados Newt Gingrich, cotado para assumir um cargo importante no próximo governo, rebateu as suposições de que a administração Trump será influenciada pela alt-right.
"Donald Trump é um conservador tradicional que quer golpear profundamente a esquerda", ele afirmou na segunda, após as reações negativas à nomeação de Bannon.

Diversão e desafio das normas
No artigo no Breitbart News em que explica o movimento, Milo Yannopoulos diz que, desde os anos 1960, a mídia e o establishment político consideram aceitáveis discursos de movimentos de "mulheres, LGBT, negros e outos grupos demográficos não-brancos, não-héteros e não-masculinos, mesmo quando desembocam em puro ódio".
Por outro lado, afirma que "qualquer discussão sobre a identidade branca, ou os interesses brancos, é vista como uma ofensa herética".
Ele diz que muitos "jovens rebeldes" aderem à alt-right não por serem "instintivamente conservadores" nem por viverem um "despertar intelectual".
Ironicamente, afirma Yannopoulos, esses jovens são seduzidos pela alt-right pelos mesmos motivos que os jovens dos 1960 eram atraídos pela nova esquerda: "porque ela promete diversão, transgressão e o desafio de normas sociais que eles simplesmente não entendem".

post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.