Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Michelle Obama.


Michelle Obama.



Família e educação

Sra. Marian Shields Robinson, mãe de Michelle.
Michelle Lavaughn Robinson nasceu em 17 de janeiro de 1964, em Chicago, Illinois; seu pai era Fraser Robinson III, um capitão precinto do Partido Democrata norte-americano e sua mãe, Marian Shields Robinson, uma secretária do Catálogo de Spiegel. 
Sua mãe ficou desempregada até Michelle entrar no Ensino Médio.
A família Robinson pode traçar suas raízes junto aos afro-americanos da região sul dos Estados Unidos do período pré-Guerra Civil Americana; seu antepassado paterno, Jim Robinson, foi um escravo americano no estado da Carolina do Sul, sendo que alguns de seus parentes ainda residem lá. 
Ela cresceu na Euclid Avenue na comunidade de South Shore em Chicago. 
A família comeu refeições juntas e também se divertiam juntos como uma família, jogando jogos como Banco Imobiliário e lendo. 
Ela e seu irmão, Craig (que é 21 meses mais velho), avançaram o segundo grau. 
Na sexta série, Michelle juntou-se à uma turma na Bryn Mawr Elementary School (depois renomeada Academia Bouchet). 
Ela ingressou na Whitney Young High School, a primeira escola magnata (escola pública com especializações em cursos) de Chicago, onde ela esteve no quadro de honra durante os quatro anos do ensino médio, teve colocações avançadas nas aulas, foi membro da National Honor Society e serviu como tesoureira do conselho estudantil. 
A mudança de sua casa no South Side para o Near West Side demorou três horas. 
Ela foi colega de escola de Santita Jackson, filha de Jesse Jackson e irmã de Jesse Jackson, Jr. 
Gradou-se do Ensino médio em 1981 e ingressou na Universidade Princeton, estudando sociologia onde ela se graduou cum laude como Bachelor of Arts em 1985.
Michelle sentiu-se inspirada a seguir seu irmão em Princeton porque tinha mostrado a si mesma que isso era possível; ela graduou-se em 1983. 
Em Princeton, ela aprovou a metodologia pedagógica da língua francesa, porque sentiu que isso seria mais conversacional. 
Como parte dos requerimentos para a graduação, ela escreveu uma tese intitulada: "Princeton-Educated Blacks and the Black Community." ("Negros Educados em Princeton e a Comunidade Negra", em português). 
"Lembro-me estando chocada", ela afirma "por estudantes universitários que dirigem BMWs. Eu nunca conheci pais que dirigem BMWs." 
Ela obteve seu Juris Doctor (J.D.), grau da Harvard Law School, em 1988. 
Enquanto esteve em Harvard, ela participou de manifestações políticas defendendo a contratação de professores que são membros de minorias. 
Ela é a terceira primeira-dama norte-americana com uma pós-graduação, seguindo Hillary Rodham Clinton e Laura Bush. 

Carreira
Após a faculdade de direito, ela associou-se à firma de direito Sidley Austin, em Chicago, onde ela conheceu seu futuro marido. 
Na firma, ela trabalhou em marketing e propriedade intelectual. 
Subsequentemente, ela ocupou posições no setor público no governo da cidade de Chicago como assistente do prefeito e como assistente comissária de planejamento e desenvolvimento. 
Em 1993, ela tornou-se Diretora Executiva para a agência de Chicago de Alianças Públicas, uma organização sem fins lucrativos, incentivando os jovens a trabalhar em questões sociais, grupos sem fins lucrativos e agências governamentais. 
Ela trabalhou lá quase quatro anos e definiu registros de angariação para a organização que ainda permaneceu durante uma dúzia de anos depois de sua saída.
Em 1996, ela atuou como Reitora Associada de Serviços Estudantis da Universidade de Chicago, onde desenvolveu o Centro de Serviço Comunitário da Universidade. 
Em 2002, ela começou a trabalhar para os Hospitais da Universidade de Chicago, primeiramente como diretora executiva dos negócios da comunidade e, no início de maio de 2005, como vice-presidente da Comunidade e Negócios Externos. 
Ela continuou a deter a posição dos Hospitais da Universidade de Chicago durante a campanha primária de seu Barack, porém teve de cortar parte de seu tempo para passar mais tempo com suas filhas, assim como trabalhar para a eleição do marido; ela, posteriormente, teve uma licença de ausência de seu trabalho. 
De acordo com o pagamento do imposto de renda do casal de 2006, o salário de Michelle era de US$ 273.618 dos Hospitais da Universidade de Chicago, enquanto o salário de seu marido de US$ 157.082 do Senado dos Estados Unidos. 
A renda total da família, no entanto, era de US$ 991.296, na qual incluía $51.200 que ela havia adquirido como membro do conselho de diretores da TreeHouse Foods, e investimentos e direitos autorais de seus livros.
Ela serviu como um assalariado membro do conselho da TreeHouse Foods, Inc. (NYSE: THS), um grande fornecedor da rede Wal-Mart com quem ela cortou os laços imediatamente após seu marido fazer comentários críticos do Wal-Mart no fórum da AFL-CIO em Trenton, Nova Jérsei, em 14 de maio de 2007. 
Ela serviu no conselho de diretores do Chicago Council on Global Affairs.



Em julho de 2008, Obama aceitou o convite para se tornar uma membra honorário do clube de moças negras de 100 anos Alpha Kappa Alpha, no qual não tinha estudantes universitários ativos de Princeton quando ela ingressou.

Barack e Michelle Obama.


Ela conheceu Barack Obama quando eles estavam dentre os muito poucos afro-americanos na sua firma de advocacia, Sidley Austin, (ela, algumas vezes, disse que se encontravam em apenas dois departamentos, embora outros já tenham apontado, há outros diferentes departamentos) e a ela foi atribuído o cargo de ser a mentora dele, enquanto ele fora um advogado associado. 
Sua relação começou com um jantar de negócios e depois uma reunião de organização da comunidade onde ele pela primeira vez a impressionou. 
O primeiro encontro do casal foi para assistir o filme Do the Right Thing, de Spike Lee. 
Eles se casaram em outubro de 1992 e tiveram duas filhas, Malia Ann (nascida em 1998) e Natasha (conhecida como Sasha) (nascida em 2001). 
Após sua eleição para o Senado Estadunidense, a família do Obama continuou a viver no South Side de Chicago, optando por permanecer ali em vez de mudar-se para Washington, D.C.. 
Ao longo da campanha presidencial norte-americana de 2008 de seu marido, ela fez um "compromisso de estar distante durante um dia da semana de campanha. Disse que estaria disponível somente durante dois dias da semana e que estaria em casa ao final do segundo dia" para suas duas filhas. 
Ela é prima de primeiro grau de parentesco de Rabbi Capers C. Funnye Jr., um dos dos mais proeminentes rabinos negros do país.
Ela uma vez pediu que Barack, que na época era seu noivo, que conhecesse sua prospectiva patroa, Valerie Jarrett, considerando seu primeira salto na carreira. 
Atualmente, Jarrett é uma das mais próximas assessoras de Barack
A relação marital teve seus altos e baixos. 
A combinação de uma evolução da vida familiar e o início da carreira política levou-a a muitos argumentos sobre o equilíbrio do trabalho e a família. 
Barack escreveu eu seu segundo livro, The Audacity of Hope: Thoughts on Reclaiming the American Dream, que: "cansado e estressado, nós tivemos pouco tempo para conversar, muito menos romance".
No entanto, apesar de suas obrigações familiares e do trabalho, eles continuaram a tentar agendar seus encontros à noite.

As filhas de Obama frequentaram a University of Chicago Laboratory Schools, uma escola particular. 
Como membro do conselho da escola, Michelle lutou para manter a diversidade no local, enquanto outros membros do conselho, conectados à Universidade de Chicago, tentaram reservar mais vagas para as crianças na faculdade da universidade. 
Isso resultou em um plano para expandir a escola.
As filhas de Obama, atualmente, frequentam a Sidwell Friends School em Washington D.C. depois também considerando a Georgetown Day School. 
Ela declarou, em uma entrevista no The Ellen DeGeneres Show, que o casal não pretende ter mais nenhum filho. 
Eles têm recebido conselhos das primeiras-damas anteriores Laura Bush, Rosalynn Carter e Hillary Rodham Clinton sobre como criar os filhos na Casa Branca. 
Marian Robinson mudou-se para a Casa Branca para auxiliar com o cuidado das filhas.
Michelle LaVaughn Robinson Obama (Chicago, 17 de janeiro de 1964) é uma advogada e escritora norte-americana. 
É a esposa do 44º presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a 46ª primeira-dama dos Estados Unidos, sendo a primeira afro-descendente a ocupar o posto.





Ao longo de 2007 e 2008, ajudou na campanha presidencial de seu marido, sendo a sua presença um dos principais destaques da campanha. 
Discursou na Convenção Nacional Democrata de 2008 e 2012. 
Como esposa do então senador e mais tarde primeira-dama, se tornou em um ícone da moda e modelo para as mulheres.

Primeira-dama dos Estados Unidos
Estilo e senso de moda
Michelle Obama vestiu roupas de Isabel Toledo feitas na St. Gallen Embroidery, durante a Posse de Barack Obama em 2009.
Com a ascensão de seu marido como um proeminente político nacional, Michelle Obama, assim como todas as outras primeiras-damas, tornou-se parte da cultura popular. 
Em maio de 2006, a revista Essence listou-a como uma das "25 Mulheres mais Inspiradoras do Mundo.
"Em julho de 2007, a revista Vanity Fair a listou como uma das "10 Pessoas Mais Bem-Vestidas do Mundo." 







Ela foi uma convidada honorária no Oprah Winfrey's Legends Ball como uma "young'un", pagando tributo aos 'Legends', no qual a ajudou a preparar o caminho para mulheres afro-americanas. 
Em setembro de 2007, a revista 02138 listou-a como 58ª da 'The Harvard 100'; uma lista dos mais influentes alunos da Universidade de Harvard dos anos anteriores. 


Seu marido também foi marcado, porém como quarto. 
Em julho de 2008, reapareceu novamente na lista internacional dos mais bem vestidos da Vanity Fair.





Michelle também apareceu na lista das mulheres mais bem-vestidas de 2008 e foi elogiada pela revista por seu olhar "clássico e confidente".
Como uma mulher de alto perfil de compleição escura e um casamento estável, foi antecipado que ela iria ser uma modelo de alta categoria que iria influenciar o ponto de vista que o mundo tem de afro-americanos. 
Suas opções de moda foram parte da Fashion week, porém a influência de Obama na área não teve um impacto sobre a escassez de modelas americanas que participaram, como alguns pensaram que isto poderia.

Casal Obama no baile inaugural.



Ela tem sido comparada com Jacqueline Kennedy, devido ao seu estilo elegante, mas não exagerado, e também com Barbara Bush pela sua disciplina e decoro. 
Sobre seu vestido branco de um ombro de Jason Wu, 2009 inaugural, foi dito a ser "uma improvável combinação de Nancy Reagan e Jackie Kennedy"
O estilo de Obama é descrito como populista. 
Ela frequentemente veste roupas dos designers Calvin Klein, Oscar de la Renta, Isabel Toledo, Narciso Rodriguez, Donna Ricco e Maria Pinto, e tornou-se uma tendência de moda, em particular, seu favoritismo de vestidos sem mangas que mostra seus atenuantes braços.









 




 
 

Ela apareceu na capa da edição de março de 2009 da revista Vogue. 
Todas as primeiras-damas dos Estados Unidos desde Lou Hoover (exceto Bess Truman) estiveram na Vogue, porém apenas Hillary Clinton havia, anteriormente, aparecido na capa.



Um desejo que tem surgido em algumas pessoas é de que a mídia deveria focar mais nas contribuições sérias da primeira-dama, ao invés de seu senso de moda. 
Obama afirmou que gostaria de concentrar a atenção como Primeira-dama em questões como: preocupação com famílias militares e famílias trabalhadoras








A colunista Bonnie Erbe argumentou que seus próprios publicitários parecem estar alimentando a ênfase em estilo acima de substância.



Trabalhos realizados e causas promovidas
Durante seus primeiros meses como Primeira-dama, ela frequentemente visitou abrigos de desalojados. 
Também enviou representantes para escolas e defendeu o serviço público. 
Em sua primeira viagem ao exterior, em abril de 2009, ela excursionou um ala de hospital de câncer com Sarah Macaulay, esposa do primeiro-ministro britânico Gordon Brown. 
Esteve começando a advogar sobre o interesse de famílias militares. 
Assim como suas predecessoras Clinton e Bush, que apoiaram o movimento orgânico instruindo às cozinhas da Casa Branca a comprar comidas orgânicas, Obama recebeu atenção quando plantou um jardim orgânico e instalou colmeias de abelhas no Gramado Sul da Casa Branca, o qual irá fornecer produção orgânica e mel para a família do presidente e para jantares com líderes de Estado e outros encontros oficiais.





Obama tornou-se uma defensora das prioridades políticas de seu marido, promovendo notas que apoiam isto. 
Segundo a promulgação da Lei de Igualdade de Pagamento, Obama promoveu uma recepção da Casa Branca para a defesa do direito das mulheres. 
Ela pronunciou seu apoio à nota de estímulo econômico em visita ao Departamento dos Estados Unidos de Habitação e Desenvolvimento Urbano. 
Alguns observadores olharam favoravelmente para as atividades legislativas da Sra. Obama, enquanto outros sentiram que ele deveria estar menos envolvida na política. 
De acordo com os representantes dela, ela pretende visitar todos Gabinetes dos Estados Unidos, a fim de se familiarizar com Washington.

Ela ganhou um crescimento do apoio do público em seus primeiros meses como primeira-dama. 
Obama é notável pelo seu apoio à famílias militares e alguns republicanos. 
Como o público está se acostumando cada vez mais com ela, está se tornando mais aceita. 
O Newsweek descreveu sua primeira viagem ao exterior como uma exibição de seu "poder-de-estrela" tão calado e MSN descreveu isto como uma exibição de sartorial elegância. 
Houve questões levantadas nas mídias americana e britânica media em relação ao protocolo quando os Obamas conheceram a Rainha Elizabeth II, e Michelle retribuiu um toque nas costas na Rainha durante a recepção, supostamente contra a etiqueta real tradicional. 


Fontes do palácio negaram qualquer violação de etiqueta ocorrida. 
Ela também liderou um movimento que tentou pressionar o seu marido para mandar tropas para a Nigéria contra o Boko Haram.
De fato Michelle Obama foi uma das mais ativas e influentes primeira-dama da história dos Estados Unidos. Negra, altamente capacitada e com facilidade de comunicação e argumentação, firmou-se como uma grande mulher durante os mandatos de seu marido Barack Obama.
Curta mais algumas imagens dessa mulher incrível: 



 
  





 


 





post: Marcelo Ferla 
fonte: https://pt.wikipedia.org
fotos: https://www.google.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.