Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Falando nisso.

A não tão perfeita vida de Barbie e Ken.


Todo ser humano conhece essa história: um menino não tão “rude” quanto os outros e, por isso, é provavelmente gay. Não precisa ir longe, a própria polarização dos “estudos acadêmicos” já mostra algo parecido. Durante muito tempo, cursos de humanas foram destinados às mulheres e às “bichas”. Tudo aquilo que foge do aspecto de masculinidade que foi imposto na sociedade torna-se, portanto, feminino.
E é essa ideia que o ensaio a seguir utiliza. Não quero tirar a possível “graça” dele, mas apenas fazer uma análise acerca de alguns pontos.
Atualmente, isso tem mudado em alguns aspectos. Homens têm se depilado, usam produtos de beleza etc. Porém, todo mundo conhece a história da Barbie e do Ken, e de como o personagem parecia gostar igual – ou até mais – da mesma fruta que a Barbie gostava. Bem, e de onde vem essa afirmação? O Ken, como os homens ditos mais “femininos”, sofre uma espécie de homofobia e/ou machismo. Como assim? O patriarcado, por meio da heteronormatividade, cria uma espécie de panorama social o qual dicotomiza-se em aspectos de mulher e aspectos de homem, como também em masculino e feminino. Aos homens, “os verdadeiros”, há todos os aspectos da virilidade. Um homem precisa se impor na sociedade através da força, através de um tipo de postura rústica que é, necessariamente, uma forma heteronormativa de se ver o homem. Inclusive, são aspectos como a virilidade e a masculinidade que fazem a manutenção do tal sistema patriarcal embutido no contexto social.


Nesse pensamento, o Ken é feminino. O próprio respeito que deveria ser dado a ele, por ser homem (pensando pelo viés do machismo), decai pelas suas “escolhas” que contrariam o sistema. Para todos, Ken é gay. E Ken é gay porque gosta de se arrumar.
Por que devemos pensar aspectos distantes da virilidade como estritamente femininos? Penso que isso é uma forma de contribuir com o machismo tanto com a homofobia dentro da nossa sociedade. Um homem tem, sim, o direito de se arrumar. Assim como uma mulher tem o direito de não se arrumar. E entendendo arrumar como adequar-se a alguns preceitos estéticos vigentes.
Depilação, secador de cabelo, produtos de beleza, tudo isso alcançou o homem pós-moderno. A ditadura da beleza que tanto perpetuou em cima do sexo feminino, massacrando-o, também chegou ao homem. Nos dias atuais, há, sim, uma busca por beleza, tanto feminina quanto masculina.  E penso que tratar isso como estritamente feminino e gay é uma visão arcaica, porque caracteriza a própria homossexualidade como um “desvio da norma”, em que ser homossexual é estar no polo do feminino, quando, na verdade, é apenas questão de orientação sexual. Seja feminino, masculino, ou, melhor ainda, queer.


Claramente, não quero tratar as opressões masculinas e femininas de igual para igual, porque sequer acho que seja possível esse pensamento. Apenas, vendo as fotos, pensei na questão da homofobia (nem tão) enrustida e decidi comentar acerca. As opressões que o homem atual sofre não chegam aos pés do que uma mulher deve enfrentar nos dias mais fáceis de sua vida.
Aqui está o resto do ensaio da triste vida da Barbie com seu par arrumadologofeminoportantogay:

 







Sobre o autor

Thomas A. Häckel cursa Letras pela UERJ, mas só quer saber de falar de moda, mulher e fetiche. Acha que o mundo se explica com Simone de Beauvoir, acha vadia o maior elogio que se pode fazer e espera uma Chanel às avessas (re)desconstruir os gêneros da roupa.
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.