Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Admirável mundo torto.

Direito de recusar livro "pró-ditadura" no Colégio Militar de Porto Alegre
Professora Silvana: livros escondem "o ciclo de violação dos direitos humanos"
A professora Silvana Schuler Pineda, do Colégio Militar de Porto Alegre, obteve mandado de segurança, concedido pela Justiça Federal de Porto Alegre, que lhe dá o direito de retomar suas atividades na instituição após ser afastada por se opor ao uso de um livro de história em sala de aula.
As obras da "Coleção Marechal Trompowsky" - que ela teria que seguir nas aulas - esconderiam "o ciclo de violação dos direitos humanos, tortura, assassinato e desaparecimento de opositores políticos e seus familiares, realizados por setores das forças armadas e associados, ao arrepio inclusive das leis militares".
Após criticar publicamente o uso dos livros indicados pela direção, a professora - que integra o quadro de servidores civis da escola - foi em abril passado realocada para outra função, com carga horária distinta.
Silvana é servidora pública federal, vinculada ao quadro de pessoal civil do Comando do Exército, ocupando o cargo de professora desde 1997, lecionando regularmente aulas de História. Nos primeiros meses de 2013 sua atividade era junto aos alunos do 9º ano. Frisa a ação mandamental que "os livros impostos pelo comando não são distribuídos gratuitamente, mas sim adquiridos pelos alunos".
A professora critica que "o regime é descrito de forma lacunar, tanto em suas motivações declaradas (combater a corrupção e a comunização e reorganizar a administração do país) quanto nas consequências efetivas de suas realizações". E dá um exemplo: "o milagre econômico é explicado de modo desvinculado da carestia dos anos 70 e da crise econômica do início dos anos 80".

Na ação mandamental, ajuizada em 2 de maio, a liminar foi negada.

Trompowsky - homenageado com o nome da coleção - é natural de Santa Catarina; nasceu na cidade do Desterro, atual Florianópolis, no dia 8 de fevereiro de 1853. Foi militar durante quase cinco décadas, dedicando-se principalmente ao magistério militar, razão pela qual foi escolhido para ser o patrono do magistério do Exército.
O comandante do Colégio Militar, coronel Francis de Oliveira Gonçalves, contestou sustentando que "a finalidade dos colégios militares é promover a educação afinada aos costumes e tradições do Exército, para formar o cidadão e despertar vocações para a carreira militar".
Ressaltou que "houve apenas redistribuição da carga horária da professora, medida que se mostrou harmônica com o posicionamento intransigente da professora que, ao não utilizar o livro didático indicado, descumpriu normas e regulamentos do estabelecimento de ensino".
Na sentença, o juiz Gabriel Menna Barreto von Gehlen, da 5ª Vara Federal de Porto Alegre, concedeu a segurança, reconhecendo que "a hipótese retratada nos autos qualifica-se como sanção velada, na qual o administrador dissimula por meio de uma medida aparentemente neutra uma decisão de intenções repressivas".
O magistrado declarou nulo o boletim interno que determinou o afastamento. A professora voltará a dar aulas a partir de 1º de agosto, desobrigada de seguir a linha das obras "Coleção Marechal Trompowsky".
Os advogados Felipe Carlos Schwingel e Janaína de Lemos Chaves atuam em nome da impetrante. (Proc. nº 5023361-95.2013.404.7100).

Contraponto

O comandante do Colégio Militar, coronel Francis de Oliveira Gonçalves, disse que a decisão judicial será imediatamente cumprida, embora ainda não esteja decidido se a escola entrará com recurso no TRF da 4ª Região. O prazo recursal está em curso.
Francis disse que ele e os companheiros de direção "não vão entrar no mérito da questão da opinião da professora". Arrematou que "decisões judiciais devem ser cumpridas e a vida seguirá normalmente no colégio".

fonte: Espaço Vital
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.