Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Coisas bacanas.


Trazendo um pouco de humor para nossa luta por igualdade, reproduzimos esta semana uma das crônicas de Marcos Lima publicada em Histórias de Cegos, no site da URECE.
“As Dez Melhores coisas de ser Cego".
Ser cego deve ser muito triste, né? Não. Verdade que há sim algumas situações bem difíceis, mas, vendo por outro lado, nós nos damos bem, muito mais do que vocês pensam. “Vidente, se você soubesse o valor que o cego tem, tu botava venda no olho e virava cego também.”
Vejam a seguir as 10 maiores vantagens de ser cego.
10: Não poder olhar pro lado: Isso é bom? Bem, em 99% das vezes, não, mas os cegos nunca podem ser acusados pelas namoradas ou esposas ciumentas de estarem olhando a gostosona que passou ou reparando no decote da atriz da novela das 8. Olha quantas brigas a gente evita!;
9: Cegos não recebem papeizinhos de propaganda pela rua: A gente não é obrigada a receber e guardar panfletos.

Quer desculpa melhor para não pegar aquelas propagandas que quase te obrigam a receber que ser cego? Genial! Nada de ter de procurar depois uma lixeira para jogar fora. Por não vermos que nos estendem a mão para nos entregar algo, a gente simplesmente não recebe e não fica mal por isso.

Às vezes é o próprio distribuidor de papeizinhos que, percebendo que não enxergamos e sem saber como se dirigir a nós, decide deliberadamente nos excluir de seu reparto;
8: Usar o computador debaixo da mesa: reunião chata, aquela mesa gigante, todo mundo olhando os tão coloridos e cheios de setinhas power points e você, sem enxergar nada, lutando pro olhinho não fechar. Seus problemas acabaram! 

Ou pelo menos, esse problema. Solução?

É só pegar o computador portátil (um notebook é ideal) e botar ele no seu colo, por baixo da mesa. Ninguém na sala imagina que você está utilizando seu computador pessoal em plena reunião de diretoria, como eu estou fazendo agora. (brincadeirinha chefe!).

Mas certamente isso vocês nunca imaginaram. E tem vezes que é bem útil, salva mesmo! Melhor que fechar os olhos e… Bem, vamos ao número 7;
7: Cegos fecham os olhos e não são acusados de estarem dormindo: No meu primeiro grau, eu tinha uma professora de geografia que afirmava com toda a certeza:

O Marcos eu sei que mesmo estando com os olhos fechados, está prestando atenção no que eu falo”

Bem, as boas notas que eu tirava na matéria se deviam ao meu desmedido interesse por povos, países, continentes, capitais, montanhas e afins. Nas aulas… Eu Apoiava a cabeça na mão e dormia de sonhar!
6: Cegos não reparam: Sabe aquelas infinitas discussões que começam com um “você nem reparou que eu cortei o cabelo?”. Então, nós não temos, nunca. 

Quer desculpa ideal para não reparar que sua mulher aparou as pontas ou que ela fez sei lá que escova marroquina, árabe, palestina de luzes (ainda por cima luzes!!!) nas raízes das mexas cacheadas, sem ser acusado de “não ter olhos mais pra mim!”?
5: medo de altura: E você já viu cego com medo de altura? Quando eu tive a oportunidade de esquiar, uma das perguntas que mais me fizeram foi “você não teve medo da altura?”. Mas se eu não vi nada, 200 ou 2 mil metros dão no mesmo… Isso também pode ser aplicado aos aparelhos gigantescos dos dentistas, que vocês morrem de medo só em olhar.

É, tá certo, sem ver a gente pode imaginar que o bicho é pior do que é, mas como aqui eu prometi listar as 10 melhores coisas de ser cego, deixemos isso para outro dia;
4: Ver televisão do banheiro: E de repente vem aquela baita vontade de fazer xixi, bem no último bloco da novela ou nos minutos finais do jogo… O que você faz?

Se contorce e fica rezando para o intervalo começar! Pobres videntes! Pois eu levanto e vou ao banheiro.

No máximo, aumento o volume da televisão, mas continuo acompanhando tudo normalmente. Nessas horas, e só nelas, é uma imensa vantagem não ter de ver para assistir;
3: Usar aparelhos com o monitor desligado: Garante a privacidade e ainda economiza a energia do planeta, sem falar que, por conta disso, a bateria dos nossos smartphones dura mais que a do de vocês! Lalalalala;
2: Dormir em ambientes claros ou com a luz acesa: dispensa explicações… Você vai querer ser cego na próxima vez que precisar de escuro e não tiver!;
1: Não temos nojinhos visuais: Sabe aquelas comidas que vocês não comem de jeito nenhum por que são feias?

Então, quem vê cara não vê coração; ou melhor, não come. E por isso a maioria das pessoas perde comidas deliciosas como rabada, a macia e deliciosa língua de boi, não sabe apreciar uma dobradinha e jamais teriam a coragem de devorar um escargot, numa barraquinha de Bruxelas, como eu fiz (e meu amigo vidente, não).

A comida típica da Romênia, pátria da minha esposa, é uma sopa sugestivamente chamada de “sopa de barriga”, que eu adorei, mas que minha esposa e minha sogra nunca tiveram sequer a coragem de provar;
Bônus: Não enxergar: Não enxergar pode ser vantajoso?

Ah, se pode… Você tem de ir àquela festa, não pode faltar de jeito nenhum, mas está bolado porque há grandes chances de que sua ex (ou similares) esteja lá e você não sabe muito bem como se comportar; falar ou não falar, eis a questão.

É, a gente finge que não vê e ninguém vai chamar a gente de mal educado por isso.

E, por não enxergarmos, ainda temos o bônus adicional de passarmos toda essa carga emocional chata do “falo ou não falo” para a outra pessoa. Enquanto eu estou lá, de cabeça erguida, curtindo minha festa, é a outra pessoa quem está matutando como vai agir. 

Como não pode passar junto a mim e não falar (sob pena de ser julgada por enganar o ceguinho ou mesmo denunciada por algum gaiato), ela ainda tem que ficar restrita ao quadrante mais distante possível.

Bem feito, quem mandou enxergar?!”

Marcus Lima autor das Histórias de Cego
fonte: Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência;
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.