Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sábado, 15 de março de 2014

Curiosidades.


O coração do Rei: o mistério sobre a foto mais famosa de Pelé.
Durante 36 anos, a foto mais espetacular de Pelé circulou com “data de fabricação” errada. Agora, PLACAR revela quando, onde e como essa imagem foi produzida.


A coisa é chique. Impresso na região de Verona, berço das melhores gráficas do mundo, o livro de luxo traz o requinte dos gols de Pelé. O papel utilizado, o GardaPat Kiara, produzido sob encomenda por uma indústria sediada às margens do Lago de Garda, também na Itália, é especial como as atuações do Rei em Copas do Mundo.

O acabamento, realizado artesanalmente por um estúdio em Turim — com capa e estojo revestidos de seda italiana e lombada de couro natural —, é delicado como o sorriso do menino Edson.
Voltado para colecionadores abastados, numerado e de tiragem limitada, 1283 (número de gols da carreira do Rei) pretende ser a compilação fotográfica definitiva de Pelé. Lançado com pompa no último dia 16 de outubro, no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, pela editora Toriba, o livro custa 3 600 reais em seu formato mais “simples” e 5 500 reais na edição “king”.
O que diferencia uma edição da outra (a cara da muito cara) é a presença da lendária foto “O Coração do Rei”, de Luiz Paulo Machado, ex-fotógrafo da PLACAR, encartada de forma avulsa, numerada, impressa com pigmentos minerais em papel Canson Infinity 100% algodão e assinada tanto por Pelé como pelo fotógrafo.
Trata-se de uma das imagens mais clássicas de Pelé e uma de suas fotos mais conhecidas no mundo. Para Pelé, “é um registro que só Deus pode explicar”. Para Machado, é sua obra-prima. “É uma foto reconhecida mundialmente. Sem dúvida, é minha foto mais importante.”
Embora inacessível para a imensa maioria dos amantes do futebol, a iniciativa merece aplausos. Só que tem um probleminha: traz informações erradas sobre sua peça mais importante. O livro diz que “O Coração do Rei”, cujo encarte em formato especial faz com que o livro custe quase 2 000 reais a mais, foi tirada no dia 18 de julho de 1971, durante o empate em 2 x 2 entre Brasil e Iugoslávia, no Maracanã, na despedida do Rei com a camisa da seleção brasileira. Um erro de vários anos.
FOTO CERTA, DIA ERRADO
Ao pesquisar a história da foto, os editores do livro acabaram deparando com uma série de dúvidas. Oficialmente, a foto não tinha uma data certa, já que o slide original, arquivado no Dedoc (onde estão os arquivos da Editora Abril, que publica a PLACAR), estava em branco, sem qualquer informação que pudesse esclarecer a questão. Ok, culpa nossa...
A data da primeira publicação da imagem em revistas da editora também era incerta. Extraoficialmente, porém, circulava a informação de que a foto teria sido feita em 30 setembro de 1970, durante o amistoso Brasil 2 x 1 México, conhecido como “Jogo da Amizade”.
Os editores do livro não perguntaram à redação da PLACAR sobre a data da foto. Foram direto ao autor, que disse ter certeza absoluta de que a partida em questão era Brasil 2 x 2 Iugoslávia. E assim ficou.
Mas, descobrimos agora, as duas hipóteses estão erradas. No jogo Brasil x México, o uniforme da seleção ainda não possuía as três estrelas — seriam usadas pela primeira vez no amistoso contra a Áustria, no Morumbi, em 1971. Quanto ao jogo Brasil x Iugoslávia, seria impossível que a foto tivesse sido captada nesse jogo, pois a partida foi realizada durante o dia e Pelé atuou apenas no primeiro tempo. E “O Coração do Rei” é uma foto noturna. Mais: o nome de Luiz Paulo Machado nem ao menos consta no expediente da edição 71 da PLACAR, que noticia a despedida do Rei. O telefonema do então chefe de reportagem da PLACAR Juca Kfouri, eufórico com o slide em mãos, ao fotógrafo, pouco depois da revelação da foto, também não poderia ter ocorrido em 1971, já que Kfouri passou a atuar na revista somente em 1974.


A verdade é que a foto “O Coração do Rei” foi feita no dia 6 de outubro de 1976, no amistoso beneficente Brasil 0 x 2 Flamengo, em memória ao craque flamenguista Geraldo “Assoviador”, falecido tragicamente após uma malsucedida operação de retirada de amídalas. Um jogo que entraria para a história do futebol brasileiro, apesar de poucos se lembrarem dele (veja abaixo).
MEMÓRIAS DA REDAÇÃO
Fotógrafo freelancer da PLACAR no Rio de Janeiro, Luiz Paulo Machado foi escalado para cobrir o amistoso e, em um instante fortuito, fez o clique antológico. “Eu não vi de imediato o coração, vi que tinha feito uma boa foto. Mas a gente não sabia, até o momento da revelação, se teve algum problema, se correu tudo bem”, diz Machado, que atualmente trabalha na Justiça Federal, no Rio de Janeiro.


A foto original, sem cortes, é a prova incontestável de que Pelé ganhou o registro de Machado naquele jogo, já que mostra um jogador do Flamengo no canto esquerdo da imagem. Luiz Paulo Machado só veria a fotografia publicada na revista, cortada, sem o atleta flamenguista em quadro, tempos depois.
Juca Kfouri recorda como se deu a chegada do slide à redação da PLACAR. “Chegou esse material em uma sexta-feira para mim. De repente, me vi diante dessa foto, que é uma foto de prêmio, uma coisa de outro mundo, sobrenatural.” Nos anos que se passaram, muitos tiveram a mesma reação ao deparar com o registro, embora a fotografia jamais tenha recebido qualquer premiação. Juca conta que, no cargo que ocupava na revista naqueles idos de 1976, não tinha poder para decidir a publicação imediata ou não da foto.

“Eu teria inventado uma capa”, diverte-se, antes de ressaltar que era típico dos hábitos jornalísticos de Jairo Régis, então diretor de redação da PLACAR, o cuidado de guardar fotografias especiais para matérias especiais. “Era típico dele, uma coisa absolutamente adequada ao perfil do Jairo”, diz Juca.
As fotos que Régis separava para usar em ocasiões especiais eram guardadas em um arquivo chamado de “Carsugão”, levado à redação da PLACAR pelo jornalista Claudio Carsughi. “Essa foto ficou como um slide em branco no ‘Carsugão’ para um aproveitamento posterior”, diz.


De fato, a primeira oportunidade especial que surgiu para que a célebre foto fosse publicada se deu na ocasião da despedida definitiva de Pelé do futebol, quando este atuava pelo Cosmos, em outubro de 1977. Era a edição número 389 da revista, que trazia um encarte especial, em cores. O “Documento histórico: 22 anos de Pelé” estampava na capa o registro feito por Luiz Paulo Machado. “Quem editou o encarte fui eu. Eu me lembro perfeitamente”, conta Juca.
O corte vertical da imagem, a ausência de uma legenda que fizesse referência à data do jogo e o fato de o slide original ter sido guardado em branco, sem qualquer anotação, foram definitivos para que o mistério sobre a data em que a foto foi feita se prolongasse por todos esses anos. 
Sempre que foi publicada pela PLACAR em ocasiões posteriores, a fotografia trouxe legendas “poéticas”, pouco objetivas, como “quando jogava pela seleção, ele o fazia com incrível talento e muito coração” (“Placar – As 100 maiores fotos da seleção brasileira”, de julho de 2002).


A cidade natal de Pelé é sempre citada por ele quando questionado sobre a foto. À reportagem da PLACAR, não foi diferente: “Eu sempre brinco que sou um homem de três corações. Então aquele coração da foto é um desses corações, o coração da seleção brasileira”. Juca Kfouri também lembra que, certo dia, ao apreciarem juntos a foto, disse a ele: “Você não é de Três Corações, você é de Cinco Corações. Além do que bate aí dentro, tem esse outro, de suor”. Um coração que se forma, por um instante fugaz, no peito do maior jogador de todos os tempos, que envergava como atleta profissional, pela última vez, o uniforme da seleção mais vitoriosa do futebol mundial.

UM JOGO PARA GERALDO

No dia 26 de agosto de 1976, uma tragédia se abateu sobre o futebol brasileiro, especialmente para os torcedores flamenguistas. Morria, naquele dia, aos 22 anos, em decorrência de um choque anafilático quando realizava uma operação para retirada das amídalas, uma das grandes promessas do clube carioca, o meia Geraldo, que já despontava inclusive na seleção brasileira.
Traumatizados, jogadores do Flamengo organizaram uma partida beneficente, no Maracanã, contra a seleção brasileira, com a renda — 2,3 milhões de cruzeiros (cerca de 2,7 milhões de reais, em valores corrigidos pelo índice IGP-DI) — destinada à família do “Assoviador”, como era conhecido o atleta graças à mania de assoviar em campo quando realizava suas jogadas mais ousadas.
No dia 6 de outubro, com a presença de 142 404 torcedores, Pelé, que atuava no Cosmos, voltaria a vestir a amarelinha depois de cinco anos, fazendo ali, de fato, sua última partida pela seleção como profissional. Saiu de campo derrotado — 2 x 0 para o Flamengo, gols de Paulinho e Luís Paulo — e ofuscado pelo jovem Zico, que já se preparava para assumir a 10 do escrete nacional.
Aproveitando a presença do Rei em campo, a CBF, alinhada com a ditadura, promoveu um ato político após a partida, com Pelé, Carlos Alberto e Leão oferecendo ao presidente Geisel uma placa em agradecimento à regulamentação da profissão de jogador de futebol.
fonte: Revista Placar
post: Marcelo Ferla


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.