Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Nervosinhos.

Martha Medeiros: nervosinhos.
A colunista escreve às quartas-feiras em ZH
Por: Martha Medeiros


Eu tinha 22 anos e trabalhava perto do estádio Olímpico. 

Um dia, fiquei na agência até mais tarde e resolvi voltar pra casa de táxi. Tudo ia bem, até que um carro fechou a frente do táxi onde eu estava e deu uma leve encostadinha. O carro da frente deveria ter parado, mesmo intuindo a ausência de dano material, mas não foi o que aconteceu. Ele se mandou. 

E o motorista do meu táxi, macho, se mandou atrás dele. 

Começava assim uma perseguição pelas ruas de Porto Alegre. 

Nenhum deles respeitava os sinais fechados, era uma roleta-russa, e eu rezando no banco de trás, que nessa hora todo mundo deixa de ser ateu. 

Implorava para o motorista me largar em qualquer canto, já estava com o dinheiro devido nas mãos, mas ele nem ouvia, relinchava. 

Quando dei por mim, estávamos num bairro ermo, com pouca movimentação. O carro da frente dobrou numa estrada de terra mal iluminada, e o meu táxi na cola. Até que o fugitivo parou, e meu táxi parou alguns metros atrás. 

Foi quando meu prevenido motorista levantou o tapete do chão do copiloto, onde não havia assento (quem nasceu no século passado lembra) e retirou dali um facão. 

E saiu porta afora disposto a resolver a pendenga da forma menos civilizada possível. Saí porta afora também, mas correndo na direção oposta, à procura da avenida pavimentada pela qual recém havíamos passado. 

Escutei uns gritos ao longe, mas não fiquei para recolher os cadáveres. 

Logo reencontrei o asfalto, peguei outro táxi e voltei para casa aos soluços. 

O dinheiro que eu ainda trazia em mãos serviu para pagar a segunda corrida. 
Semana passada eu tinha bem mais de 22 anos e estava conversando com a Claudia Tajes num bistrô perto de casa. Ao final do encontro, pegamos um táxi estacionado no ponto em frente, ela me daria uma carona antes de seguir para o Centro. Em um minuto, que é o tempo que fiquei no táxi, o motorista acelerou, costurou, freou, quase bateu: um nervosinho. Ao descer em frente ao meu edifício, temi pela Claudia na companhia daquele boçal. 

Pedi a ele para levá-la com mais cuidado, e deixei claro que logo entraria em contato para saber se ela havia chegado bem. Meia hora depois trocamos um WhatsApp: ela disse que minha recomendação não havia servido pra nada, mas ao menos estava a salvo. 

Autoridade nunca foi o meu forte.
Se houvesse mais espaço, contaria da vez em que, no Rio, durante uma viagem do Leblon a Niterói, um motorista de táxi me narrou em detalhes sua tentativa de assassinar um cunhado por causa de uma dívida (se virasse filme, o título seria Sangrentos e Brutais), mas só o que me restou é dizer que acho lamentável a EPTC querer fisgar motoristas do Uber através do aplicativo e multá-los, interrompendo um dos raros avanços surgidos na capital gaúcha. 

Que regulamentem o Uber de uma vez. 

E minha cordial saudação a todos os taxistas que não são nervosinhos.

post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.