Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Falando nisso.



A Eternização de um Mito: os sessenta anos do suicídio de Getúlio Vargas.

Por Rosana Schwartz

Aos sessenta anos do acontecimento trágico, que marcou a história brasileira - o suicídio do Presidente Getúlio Vargas - por meio, de múltiplas ações da memória é reforçada a construção complexa e ambígua do grande Mito do Brasil. “Vivo” ou “morto”, sua trajetória política e esse trágico e traumático evento da política nacional provocam paixões e ódios simultaneamente.

Solapando inimigos, em um derradeiro golpe político, manteve a eleição de Juscelino, em 1955, a ordem democrática, assim como, adiou por dez anos o Golpe Militar de 1964.

Governou seu segundo mandato (1950-54), eleito pelo voto popular, surpreendendo opositores. Enfrentou instabilidades e oposição sistemática da imprensa e de grande parte dos setores da política, que acreditavam que um ex-ditador não poderia governar novamente. Não obstante, a população, referendava sua votação na vida cotidiana, como evidencia a Marcha de Carnaval campeã de 1951, “Retrato do Velho” (bota o retrato do velho. Bota o retrato outra vez no mesmo lugar- Haroldo Barbosa e Marino Pinto).

Após o atentado ao jornalista Carlos Lacerda, o clima de intranquilidade é adensado e Getulio não consegue mais superar a crise que se agravava a cada dia. A aguerrida oposição civil e militar, além de acusar as ações ditatoriais de Getúlio Vargas no período denominado Estado Novo, também afirmava que o presidente estava envolvido com um “mar de lamas”. Exigia sua renúncia imediata e deixava explicita a ideia de que a recusa significaria deposição. 

Nesse contexto de intranqüilidade, Vargas lança sobre os antigetulistas, como se fosse sua última cartada, seu corpo, sua morte e uma carta-testamento em defesa da nação.  A população atônita e revoltada sai às ruas e demonstra seu apreço, através de incêndios, quebra-quebras e tristeza imensurável.

Multidões se aglomeram chorando no cortejo fúnebre.  Getúlio morto possibilitou realinhamento das forças política, a manutenção da democracia através do bloqueio do golpe que se armava, e a manutenção da legalidade constitucional com a garantia das eleições para presidente.

A memória de 2014 retoma essas questões de 1954, sua popularidade e o Golpe Militar de 1964.  Figura política do movimento revolucionário de 1930, que derrubou a oligarquia do Café com Leite do poder, seu prestigio cresceu no bojo do Governo Provisório e sua metamorfose em mito inicia-se na candidatura à eleição indireta em 1934. Entretanto, foi no período do Estado Novo que ocorre efetivamente essa construção pelas âncoras do governo: rádio, cine documentários, educação, trabalhismo, propaganda, repressão, cerimônias cívicas, entre outras ações, somadas ao destaque das “qualidades” de homem simples, corajoso, esperto de sorriso matreiro.

Sua imagem é colocada no centro de todas as ações da Nação e sua figura personificada na Pátria/pai, protetor do povo brasileiro. Muitos aspectos, tanto do ditador como do presidente Vargas, desvelam a complexidade e importância da sua história. Aos sessenta anos do seu suicídio, lembramos que Getúlio saiu da política, entrou para a História e se transformou no maior mito da política brasileira.

Marcelo Ferla

Fonte: *Rosana Schwartz é professora de comunicação integrada. Doutora em História, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP (2007). Professora Pesquisadora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, desde 1999. Graduação em Comunicação Social: habilitação em Jornalismo e Publicidade e Propaganda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.