Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quinta-feira, 6 de março de 2014

Brasil desconhecido.


ESCRITO NA MÃO
Fotógrafo cria ensaio sobre degradação na Cracolândia usando as mãos dos
Texto: Lia Hama
Foto: Alessio Ortu











Por um ano, o italiano Alessio Ortu, 32 anos, visitou quinzenalmente a região da Cracolândia, centro de São Paulo, para fotografar os viciados. Enquanto puxava conversa, ia tentando traduzir em imagens a situação de degradação física, mental e moral em que vivem.

O trabalho, realizado sem apoio financeiro, resultou no livro Simulacrum Praecipitii – A visão do abismo e em um documentário dirigido por Humberto Bassanelli e apresentado no último festival É Tudo Verdade.

Em setembro, vira exposição no Palácio da Justiça, na capital paulista. “Quero que estas imagens sejam como um soco no estômago de quem vê”, diz o artista, que vive no Brasil desde 2009.
Como você abordava os craqueiros? Saía andando em busca deles. Era preciso rapidez, porque são como fantasmas. Você se distrai um segundo e eles somem. Tem de ficar ligado porque, a alguns metros, ficam centenas de outros craqueiros. Não são todos bonzinhos, há criminosos e os traficantes. Tem bastante tensão envolvida, é uma energia pesada.
Como os convencia a se deixar fotografar? A maioria das vezes eles pediam dinheiro, e eu dava R$ 5. Dinheiro é uma linguagem universal. Com dinheiro, eles compram o que querem. Nem sempre é crack, às vezes é um suco, um lanche, uma diária num hotel para dormir e tomar banho.
Seu trabalho se concentra nas mãos dos personagens. Por quê? As mãos documentam a ruína dessas pessoas. É por meio das mãos que chegam àquele estado de desgraça, preparam a droga, pedem dinheiro. As mãos são queimadas pela manipulação de isqueiros e cachimbos quentes, e sujas, porque muitos procuram comida no lixo, dormem no chão e catam material reciclável para sobreviver.
Qual história mais te impressionou? A do Jonatas, um menino cego que mora na rua e usa crack. Ele pede dinheiro no farol e só consegue sobreviver graças à ajuda de outros craqueiros, que o auxiliam nas operações cotidianas, inclusive a fumar pedra. Ele apareceu do nada enquanto eu estava fotografando outro cara, o Gerson.

Jonatas estava com os olhos sujos e Gerson pegou sua própria camiseta e o limpou com ela. Foi uma cena que me mostrou como, mesmo nessa condição miserável de degradação total, de dependência química arrasadora, ainda existe espaço para calor humano, generosidade, companheirismo.

Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.