Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Admirável mundo torto.

Uganda sanciona lei que pune homossexualidade com prisão perpétua.
Para o presidente Yoweri Museveni, lei detém 'imperialismo ocidental'. Legislação antigay prevê pena mínima de 14 anos.
O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, sancionou nesta segunda-feira (24) a controvérsia lei anti-gay que pune severamente a homossexualidade no país, dizendo que a medida é necessária para deter o que ele chama de “Imperialismo social” do ocidente para a promoção da homossexualidade na África.
Em dezembro: Uganda aprova projeto de lei que pune gays com prisão perpétua.


Yoweri Museveni durante cúpula londrina sobre planejamento familiar, na Inglaterra (jul/2012)

EUA: Obama adverte Uganda sobre lei anti-gay
Museveni assinou a lei em sua residência oficial durante evento testemunhado por oficiais do governo, jornalistas e um time de cientistas ugandenses – cujo relatório conclui que não há nenhuma base genética comprovada para a homossexualidade – citada pela autoridade ao aprovar a lei.
“Nós, africanos, nunca procuramos impor nosso ponto de vista sobre os outros. Eles poderiam nos deixar em paz”, ele disse, falando sobre a pressão ocidental para não assinar a medida. “Nós temos ficado desapontados por muito tempo pela conduta do Ocidente. Existe agora uma tentativa de imperialismo social”.
Sem citar nomes, o presidente acusou “arrogantes e negligentes grupos ocidentais” de tentarem recrutar as crianças de Uganda a homossexualidade, instigando a pressão local sobre a lei. Um porta-voz do governo disse que, com a medida, o presidente reafirmou a "independência de Uganda em relação à pressão ocidental".
A nova lei sentencia réus-primários a 14 anos de prisão, com chance de prisão perpétua como pena máxima por atos de "homossexualidade agravada", que abrange tanto a prática sexual entre adultos do mesmo sexo quanto por menores de idade, deficientes físicos ou ainda por um parceiro infectado pelo vírus HIV.
A medida já havia sido aprovada pelo parlamento do país no último dia 20 de dezembro.
"Muito assustado"
Um ativista dos direitos gays de Uganda disse estar “muito assustado” com a aprovação da medida.
“Eu não vou nem trabalhar hoje (segunda-feira). Estou trancado dentro de casa. Não sei o que irá acontecer agora. Estou falando com todos os ativistas ao telephone. E é a mesma coisa: todos estão trancados em suas casas. Eles não podem se mover. Eles estão olhando para ver o que acontecerá”, afirmou à BBC.
Defensores dos direitos humanos e governos ocidentais, especialmente os Estados Unidos, criticaram a lei.

*Com BBC e AP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.