Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Admirável mundo torto.

"Histórias mais chocantes ainda estão por vir", alerta jornalista que denunciou espionagem do governo americano.
Glenn Greenwald está no Rio de Janeiro para conferência e falou de sua relação com Edward Snowden
A maior estrela da 8ª Conferência Global de Jornalismo Investigativo, que se desenrola no Rio de Janeiro até terça-feira, não decepcionou. Cercado por microfones e câmeras de colegas de todo o planeta, o blogueiro e repórter norte-americano Glenn Greenwald — que revelou ao mundo como os EUA espiona países parceiros, entre eles o Brasil — deu uma palestra de uma hora na qual agiu como metralhadora giratória.
Criticou as administrações Bush e Obama nos Estados Unidos ("rivais entre si, mas iguais nos métodos"), as agências de espionagem, os governos de países amigos e não tão amigos dos EUA e bateu pesado na mídia. Mais que aplaudido, foi ovacionado. Principalmente ao confirmar que vem mais chumbo grosso por aí.
— Algumas das histórias mais chocantes e reveladoras ainda estão por vir — avisou, ao melhor estilo "testemunha de acusação".
Assediado na conferência, que acontece na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Greenwald não deu entrevistas. Tem evitado muita exposição desde que mostrou em detalhes como os EUA espionam países supostamente "amigos", como o Brasil, principalmente em busca de segredos em disputas comerciais.
Isso só foi possível porque ele recebeu um e-mail criptografado de Edward Snowden, hoje possivelmente o espião mais perseguido do mundo. Ex-agente da Agência de Segurança Nacional norte-americana (a NSA), Snowden admirava o estilo ferino e corajoso do blog que Greenwald escreve desde 2005, criticando a tudo e a todos os poderosos do planeta. E por isso escolheu o jornalista para expor os segredos da NSA, uma repartição que trabalha em estreita colaboração com a famosa CIA (agência de contraespionagem norte-americana).
Foi uma aposta que deu certo. Greenwald investiu seu próprio dinheiro numa viagem a Hong Kong para ouvir Snowden, de quem nunca tinha ouvido falar. As dúvidas eram muitas, ainda mais quando o espião mostrou num computador milhares e milhares de documentos sobre espionagem de países do Terceiro Mundo.
"Será verdade, uma loucura de um lunático ou uma armadilha para destruir minha reputação?", foram as principais questões que Greenwald fez a si mesmo. Ao final de seis horas de revelações num quarto de hotel, nas quais não deixou Snowden nem beber água — "quase uma tortura", brinca Greenwald — ele ficou convencido de que estava diante de um tesouro jornalístico.
— Não sou especialista em computação, mas é fácil deduzir que não poderia ser falsificação. São dezenas de milhares de documentos. Quem conseguiria escrever tudo aquilo como mentira? Vimos o crachá dele na NSA, conferimos sua identidade com algumas fontes, mas o que usei mesmo foi minha intuição: estava diante de um daqueles raros casos de heroísmo, de um sujeito que sabia que iria perder muito — e assim mesmo decidira se expor, para revelar ao mundo uma grande sacanagem — descreve Greenwald.
Dito e feito. Snowden é procurado pelos EUA, nunca mais voltou lá e teve de pedir asilo à Rússia, onde vive desde agosto, após morar por semanas num aeroporto de Moscou. O que mais espantou o jornalista é que Snowden fez questão que seu nome fosse publicado, mesmo alertado pelo repórter das consequências de seus atos.
A escolha de Greenwald como confidente não foi casual, acredita o repórter. Ele vive de fazer críticas a governos e acha que essa é a principal missão da imprensa. Para um crítico do poder, ele espantou a plateia ao confidenciar que foi candidato a vereador em Fort Lauderdale (EUA), quando tinha 17 anos.
— Era idealista, independente e queria agradar a um avô político — justifica.
Os três mais votados no distrito se elegeram, ele tirou quarto lugar.
— Escapei dos horrores da política, mas não de ver do que ela é feita.
Greenwald é formado em Direito e só pegou gosto pela mídia em 2001, após a onda de repressão desencadeada nos EUA pós ataques às Torres Gêmeas. Como advogado, ele se comoveu com prisões sem ordem judicial e interrogatórios ilegais promovidos pelo governo do seu país mundo afora.
Decidiu profissionalizar as críticas em um blog. Fez tanto sucesso que em 2011 começou a ser publicado pelo jornal britânico The Guardian, que agora deu abrigo a suas revelações, junto com a Rede Globo, no Brasil.
— São veículos menos dependentes dos governos. Nos EUA, a mídia é muito atrelada ao poder. Um poderoso jornal norte-americano sabia da espionagem praticada pela NSI há muitos meses, mas evitou publicar — critica Greenwald.
Questionado sobre seu estado de espírito e sobre sua rotina bastante alterada — ele está sempre atento e raramente atende ao telefone — Greenwald se mostra conformado com as restrições e exultante com os resultados.
— Ainda não desci das nuvens — brinca.
E se alguém acha que ele já publicou tudo que sabe, pode pôr as barbas de molho.
— Eu falo com o Snowden quase diariamente. Vem muito mais coisa por aí — conclui Greenwald.
Greenwald alega que, se algo lhe acontecer, pessoas da sua confiança divulgarão os dados obtidos por Snowden.

fonte: ZERO HORA
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.