Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Arte.



Britânico conta os desafios de fotografar prédios abandonados pelo mundo.

MARCELO ALMEIDA
DE SÃO PAULO

O fotógrafo britânico Dan Marbaix, 33, se acostumou desde cedo a explorar lugares desabitados, motivado por uma curiosidade que ele considera natural.

Após começar a trabalhar como vendedor para para uma empresa de tecnologia e se ver obrigado a viajar constantemente, ele começou a se interessar por fotografia e viu que poderia aliar os dois interesses, passando a registrar de asilos a escolas abandonadas, sem preconceitos.

Hoje em dia, ele largou o antigo emprego e foca apenas no que começou como um hobbie, tendo lançado em julho seu primeiro livro, "States of Decay: Urbex New York" --feito em parceria com o fotógrafo Daniel Barter--, que aborda a temática da desolação em alguns Estados norte-americanos, sobretudo Nova York.

"Estive em castelos abandonados e casas senhoriais que passavam a impressão de que as pessoas haviam acabado de se levantar e deixar aqueles locais", diz Marbaix. "Esses tipos de lugares são ótimos para se fotografar, têm um silêncio difícil de se encontrar, te deixam pensar sem que humanos fiquem entrando em seu caminho."

Ele também diz ter uma preferência por grandes espaços, encontrados em pátios industriais, como de estações de energia.

Os prédios abandonados de Dan Marbaix

Hospital psiquiátrico abandonado no Estado de Nova York (EUA)
 

Pista de boliche no abandonado hospital psiquiátrico no Estado de Nova York (EUA)
Resort judaico abandonado no Estado de Nova York (EUA)
Resort judaico abandonado no Estado de Nova York (EUA)
Escola abandonada no Estado de Nova York (EUA)
Sanatório abandonado no Estado de Nova York (EUA)
Hospital abandonado na Bélgica
Chateau na Bélgica
Torre de resfriamento em usina abandonada na Bélgica
Chateau na Bélgica
Torre de resfriamento na Bélgica
Torre de resfriamento em estação abandonada na Bélgica
Igreja abandonada na Bélgica
Chateau na Bélgica
Quartel abandonado na Alemanha
Hospital abandonado no Reino Unido

ARMA NA MÃO

Mas ele relata que a jornada nem sempre é uma caminhada silenciosa registrando vultos do passado.

"Já fui detido várias vezes e questionado pela polícia e por seguranças desconfiados. Uma vez, fui preso sob a mira de uma arma na Itália, mas a maior parte das vezes não se faz queixa porque as pessoas percebem que eu sou um fotógrafo, não um ladrão de metais", diz Marbaix.

Ele explica que usa diferentes métodos para achar o lugar ideal para fotografar. "Pode ser a casa abandonada pela qual você passa todos os dias, uma igreja ou fábrica que esteja fechando e você acaba sabendo pelo jornal local", diz.

"A partir do momento que se aproxima da comunidade de 'exploradores urbanos', você começa a compartilhar informação e conhecer pessoas para explorar sua região, e começa assim."

Existe uma meca dos lugares abandonados? "Eu diria que a Bélgica. Todo lugar na Bélgica é abandonado. Detroit também, mas não é muito seguro, porque invasão é um delito nos Estados Unidos", diz o fotógrafo.

Marbaix diz que a atmosfera solitária desses lugares não o deixa deprimido.

"Geralmente vou com um amigo, Daniel Barter, ou em um pequeno grupo, porque é muito mais seguro do que ir sozinho. Mas eu gosto da solidão desses lugares. Eu costumava trabalhar em Londres, e os prédios abandonados davam um elemento de paz e quietude à minha vida. Alguns são realmente assustadores e depressivos, mas eu me sinto privilegiado por poder documentá-los em fotografias", afirma.

Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.