Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Falando nisso.

São Borja vive expectativa e controvérsia um dia antes da chegada de peritos para preparar exumação de Jango.


A tranquilidade do interior, misturada à controvérsia gerada pela interferência em um patrimônio afetivo, cultural e político, sintetizam o clima de São Borja, na Fronteira Oeste, na véspera da perícia no jazigo da família Goulart, no cemitério Jardim da Paz, onde estão os restos mortais do ex-presidente João Goulart, o Jango.
Nesta quarta-feira, membros da Polícia Federal, da Comissão Nacional da Verdade, da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos e o neto de Jango, Christopher Goulart, irão ao local para fazer um mapeamento em 3D da sepultura, etapa preparatória para a exumação.
A retirada dos restos mortais e posterior traslado a Brasília, que poderá ocorrer até o final do ano, terá o objetivo de desvendar um mistério: Jango sofreu morte natural por problemas cardíacos, como consta na documentação oficial, ou foi envenenado pelas ditaduras do Cone Sul?
No município gaúcho de 61 mil habitantes, há resistência e apoio ao recolhimento dos restos mortais de Jango, morto em dezembro de 1976, quando estava exilado na Argentina. À frente dos opositores da ideia está o pedetista e ex-vereador Iberê Teixeira. Advogado, vive rodeado em seu escritório por dezenas de quadros e retratos em que aparece ao lado de Jango e Brizola, uma confissão da sua devoção pelos líderes trabalhistas. Comenta cada imagem com orgulho e paixão.
— Aqui eu estou dando um conselho ao doutor Brizola — diz, apontando uma fotografia em que ele foi flagrado falando ao pé do ouvido do fundador do PDT.
Iberê acredita que a ossada, uma vez levada para Brasília, jamais poderá voltar. Alega que um memorial está sendo erguido para Jango na capital federal.
— O meu temor é de que o Jango sofra um novo exílio. Desta vez, depois de morto. Eu preparei uma ação popular para tentar impedir isso baseado na lei municipal que tombou o jazigo da família Goulart como patrimônio histórico. O Christopher, neto do Jango, me telefonou e garantiu que a ossada irá retornar. Quero que ele dê essa garantia publicamente em uma reunião que ocorrerá na prefeitura. Se isso ocorrer, não terei motivo para duvidar — diz Iberê, que promete judicializar o episódio futuramente caso os encaminhamentos tomem outro rumo.
A tese é rebatida com veemência pela família.
— Essa polêmica não tem fundamento. Os restos voltam para São Borja. Nunca se falou o contrário. O Memorial João Goulart, em Brasília, ainda nem existe. É só uma previsão de início de construção a partir do ano que vem — respondeu Christopher.
Nesta terça-feira, reinava a paz nos arredores do jazigo da família de Jango, deposto da presidência do país pelo golpe militar de 1964. Para recepcionar os peritos, máquinas da prefeitura retiravam a terra acumulada na rua, trazida pelo vento e por caminhões de vias adjacentes, e trabalhadores pintavam os cordões das calçadas e faziam varrição.
Não havia policiamento reforçado. A poucos metros da sepultura, onde também jaz o ex-governador Leonel Brizola, o segurança Luís Cláudio Martins de Paula observava tudo acomodado em uma cadeira de praia.
Funcionário do cemitério há dois meses, ele conta que a exumação de Jango é assunto frequente em São Borja, terra do também ex-presidente Getúlio Vargas. Uns são contra. Acham um despropósito remexer nos despojos 37 anos depois da morte. Outros são favoráveis. Querem saber se, de fato, Jango sofreu morte natural ou foi assassinado.
Para isso, Iberê, que no decorrer da tarde recebeu ligações de vereadores da cidade preocupados com a situação, também tem uma opinião.
— Se a ditadura quisesse matar alguém, faria isso com o doutor Brizola, que era um revolucionário e incendiário, o verdadeiro inimigo dos militares. O Jango estava pacífico, só queria viver em paz — afirma Iberê, que conta ter visitado o ex-presidente no exílio argentino seis meses antes do seu falecimento.
No final de maio, em Porto Alegre, a coordenadora da Comissão Nacional da Verdade, Rosa Cardoso, apontou a existência de elementos que indicariam o assassinato de Jango. Um deles é o depoimento do ex-agente uruguaio Mario Neira Barreiro, que teria participado da operação.
Ele, que chegou a passar um período preso no Rio Grande do Sul, revelou nomes, como o do então agente norte-americano da CIA Frederick Latrash, que teria participado da elaboração do composto químico supostamente misturado a um remédio de Jango para envenená-lo.
O Ministério Público Federal conduz uma investigação nesta linha. Outras evidências citadas são documentos dos governos do Brasil, Uruguai e Argentina, o monitoramento da vida de Jango no exílio pelos militares e a possível infiltração de um agente entre os seus empregados. São Borja, a terra dos presidentes, voltou a viver dias de mito e ebulição política.

fonte: ZERO HORA
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.