Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Admirável Mundo torto.


"Meu nome é João, mas exijo ser chamado de Lu"...
O desembargador da câmara cível que julga questões de família espanta-se quando lê o trecho de um habeas manuscrito, interposto pelo próprio paciente, preso por não pagar alimentos a um filho: "Doutor, estou recolhido a uma prisão masculina, mas sou mulher".
Nas frases seguintes, vêm os detalhes. No esplendor de seus 20 e poucos anos de idade - no início da década passada - o personagem manteve um romance, envolveu-se profundamente com a namorada virgem, teve um filho com ela e...raramente pagou pensão alimentícia.
O tempo passou e o homem exerceu outras opções: a homossexualidade despertou, ele se afastou das mulheres e não honrou os compromissos paternos. Citado na execução de alimentos, manteve-se revel - e sua prisão foi decretada pela juíza. Localizado pelos policiais, foi levado à prisão masculina.
Ali brotou o habeas, devidamente documentado com atestado médico e papéis da internação hospitalar. Uma frase foi especialmente chamativa: "meu nome é João, mas exijo ser chamada de Luiza - Lu, para os íntimos - porque fiz cirurgia de mudança de sexo".
* * * * *
O desembargador mantem a prisão - afinal os alimentos continuavam impagos - apesar de o personagem ter emprego e renda razoável.
Mas o magistrado é sensível nos detalhes da decisão: "a fim de manter a integridade física e moral de Luíza, bem como em respeito ao princípio da dignidade da pessoa humana, deve ela ser encaminhada para uma penitenciária feminina, ou em cela especial, mantida em local próprio".
Aos seus pares, o magistrado justifica: "é que a cirurgia de mudança de sexo foi recente"...
O ofício é expedido com urgência...
* * * * *
Em tempo: o caso é rigorosamente gaúcho.

fonte: Espaço Vital
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.