Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 10 de março de 2017

Pão e paz por Beatriz Rodrigues.


Historicamente, a mulher ficou subordinada ao poder masculino, tendo basicamente a função de procriação, de manutenção do lar e de educação dos filhos, numa época em que o valor era a força física. 
Com o passar do tempo, porém, foram sendo criados e produzidos instrumentos que dispensaram a necessidade da força física, mas ainda assim a mulher içou numa posição de inferioridade, sempre destinada a ser um apêndice do homem, jamais seu semelhante.
No século XX, depois das grandes guerras mundiais, dos avanços científicos e tecnológicos, surge irrevogavelmente a possibilidade de outro espaço para a mulher. 
Por volta da década de 40, o feminismo dá seus primeiros passos, e com isso começa a pensar na possibilidade de um futuro diferente daquele que lhe reservaram culturalmente e historicamente. 
As mulheres já vinham em um processo, lento e gradual de conquistas sociais, econômicas e jurídicas, mas é a partir de então que se intensificam as discussões e lutas pela superação da situação das mulheres.
Valdecir Figueiredo

Este é o texto (post) de um amigo que a Dra. Beatriz Rodrigues possui no facebook.
A partir deste ela dá continuidade ao texto iniciado pelo amigo.


Beatriz Rodrigues - Mestre em  Educação pela Universidade de Jàen na Espanha; Psicanalista Clínica; Palestrante; Psicopedagoga Clínica e Institucional; Pedagoga; Especialista em neurociência
Facebook: Psicanalista Beatriz Rodrigues;
email: beatrizpsicanalista@gmail.com    
  

Pão e Paz

Por Psicanalista Beatriz Rodrigues
Para acrescentar, quero relembrar o porquê comemoramos o dia da MULHER,  porque após de séculos como nos mostrou o meu amigo, e, apesar do incêndio da fábrica em 1911, onde 146 MULHERES, foram mortas queimadas e as que sobreviveram, mesmo no tribunal contando a atrocidade vivida, não tiveram nenhum retorno, por que? 
Porque o tribunal era composto por homens.... 
Em  8 de março de 1917 (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então),aproximadamente 90 mil operárias lutaram com o Czar Nicolau II, pelas más condições de trabalho e a fome, em um protesto conhecido como "Pão e Paz".  
Apesar da luta das americanas operárias que já estava acontecendo desde 1908 pela melhoria do trabalho feminino, ainda HOJE nesse mundo capitalista e machista ainda é frequente encontrarmos diferenças de salários e de condições de trabalho.
Dia da MULHER é todo dia???
Você vai mesmo continuar a repetir isso sem pensar criticamente no que está dizendo???
503 MULHERES são agredidas por hora no Brasil, 11 casos de estupro de MULHERES a cada hora em nosso país... isso basta para você parar de repetir que dia da mulher é todo dia? 
Dezenas sofrem vítimas de "crime passional", já viramos o ano com uma notícia triste de um caso, pior que ainda não parou de acontecer, diariamente temos um novo caso. 
No Brasil, chama a atenção o fato do número de mulheres que se suicidam ter crescido mais (17, 80%)
E ai, dá para você parar de repetir que dia da mulher é todo dia?
Todo dia assediadas, todo dia subjugadas, todo dia desrespeitadas. 
Muda a fala ano que vem, ok... você tem um ano para refletir a respeito do que é ser mulher... 
Posso te garantir, por experiência própria, não é fácil, por isso comecei o dia pedindo que elas FUJAM PELAS PORTAS DOS PENSAMENTOS E PELAS RUAS DA AUDÁCIA.

post: Marcelo Ferla
textos: Valdecir Figueiredo e Beatriz Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.