Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

O HIPERREALISMO DE PAUL CADDEN


O HIPERREALISMO DE PAUL CADDEN
PUBLICADO POR MARIANA DIAS
Conheça a evolução do realismo por um dos artistas que está se destacando cada vez mais com seus desenhos que parecem fotografias.

Gustave Courbet. Os Quebradores de Pedra. 1849.

O realismo é um movimento que começou em contraposição ao romantismo por volta de 1859, tendo como principal precursor o pintor Gustave Courbet. Courbet, estava cansado do que considerava fuga da realidade, a supervalorização do sentimento e imaginação. 
O hiperrealismo nada mais é do que a evolução do realismo em tempos modernos, é ir além da imagem. 
Um dos artistas contemporâneos que mais se destacam nesse estilo é o artista escocês especializado em ilustrações, Paul Cadden.


As obras de Cadden são do tipo que não exigem muitas palavras, ao primeiro olhar tudo que vemos é uma fotografia, mas logo que ficamos sabendo que é um desenho somos surpreendidos para logo em seguida partir em busca de algum elemento, alguma falha, um borrão, um traço que nos faça ver nitidamente a estrutura do desenho, que nos mostre que a imagem que vemos foi feita somente com papel e grafite. 
Olhamos detalhe por detalhe e acabamos por ficar com uma espécie de frustração, inquietação e admiração gigantesca pela riqueza de detalhes e a força de expressão em suas obras.


Como diz Courbet 'Não posso pintar um anjo, pois nunca vi nenhum'. 
Seguindo esse princípio, Cadden consegue tirar proveito da tecnologia da imagem retratando pessoas reais ao mesmo tempo que cria uma nova essência para sua obra. 
Em seu site ele diz que apesar de suas obras serem baseadas em fotografias, a ideia é ir além do que a fotografia propõe, seus desenhos são meticulosamente detalhados para criar a ilusão de uma nova realidade que não pode ser vista na imagem original.
Para a produção de cada obra ele leva de três a seis semanas, seus trabalhos estão em exposição junto com outros 16 artistas hiper-realistas na Plus One Gallery, em Londres. 
As obras estão sendo vendidas em média por 5 mil libras, o equivalente a aproximados 15 mil reais.



post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.