Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Grupo de extrema-direita exalta Trump com saudação que lembra a do nazismo.


Grupo de extrema-direita exalta Trump com saudação que lembra a do nazismo.
Ativistas de extrema-direita americanos aparecem em um vídeo exaltando o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, com saudações que lembram com as do nazismo.
Isso aconteceu em uma conferência em Washington, organizada pelos alt-right (abreviação de "alternative right", "direita alternativa", em português), um grupo radical que cresceu muito no último ano e é acusado de ser racista, xenófobo e antissemita.
Embora o republicano tenha procurado se distanciar e evitado endossar falas da extrema-direita, pessoas com esse tipo de visão política se sentiram encorajadas com o resultado do pleito por ver em Trump um defensor de bandeiras nacionalistas.
No vídeo filmado pela revista The Atlantic, membros desse grupo aparecem com o braço estendido gritando “Viva Trump, viva o nosso povo, viva a vitória”.
“Estamos sendo substituídos e forçados a nos transformar em minorias em nossos próprios países”, afirmou Richard Spencer, do National Policy Institute, discursando na conferência.
“A América foi um país branco até a última geração, criado para nós mesmos e para nossos descendentes.
Ela é nossa criação, é a nossa herança e pertence a nós”.


Em entrevistas formais, os participantes apresentaram discursos mais comedidos.
Eu sempre achei que um Estado homogêneo é um Estado mais feliz”, disse à BBC um deles.

post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.