Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

domingo, 4 de setembro de 2016

Depoimento do coronel Paulo Malhães, ex-agente do CIE.


Depoimento do coronel Paulo Malhães, ex-agente do CIE a CNV - Comissão Nacional da Verdade.


Malhães falou pela primeira vez sobre suas ações como torturador em 2012, à Comissão Nacional da Verdade, 40 anos depois de ter sido designado pelo Centro de Informações do Exército (CIE) para gerenciar um centro clandestino em Petrópolis, coloquialmente conhecido como Casa da Morte onde a tortura era rotina. 
Seu trabalho ente 1970 e 1972 consistiu em torturar e interrogar suspeitos opositores políticos do regime. 


De acordo com Malhães, a meta nominal das atividades no esconderijo era convencer os suspeitos a concordar em servir como agentes duplos, chamados de "RX" no jargão militar. 
Segundo Malhães, além de pôr fim à tortura, os suspeitos que aceitassem virar informantes do Exército receberiam pagamentos clandestinos como incentivos. 
No entanto, a única suspeita que ele descreveu concordar com isso, Inês Etienne Romeu, mais tarde foi considerada insincera e foi presa por mais oito anos. 
Os detalhes das atividades na "Casa da Morte" foram confirmados pela primeira vez em suas memórias, publicadas em 1979. 
Pelo menos 22 suspeitos detidos na casa foram mortos.




Malhães reconheceu que Carlos Alberto Soares de Freitas, comandante da VAR-Palmares desaparecido e nunca foi sido visto novamente, havia estado na casa. 

O coronel também disse ter participado da ocultação do corpo do deputado federal Rubens Paiva. 
Em depoimento posterior, o militar negou que tivesse participado da operação.
A seguir, na íntegra, o depoimento do coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informação do Exército, que atuou em diversas missões de extermínio de opositores da ditadura e também na Casa da Morte. 
No depoimento, ele admite tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos.

Blogueiro: O que estão prestes a ver amigos e amigas é a mais desestruturadora forma de ser de um ser humano movido por uma causa e por seus ideias em detrimento de outros seres humanos.

A figura do Coronel Paulo Malhães, codinome: Dr. Pablo (lhe fora dado este por ter feito parte e agido também na Operação Condor) é a figura de um ser arrogante, seguro de si, sem arrependimento algum, ardiloso, meticuloso, malicioso, técnico, dotado de uma oratória pausada, lúcida e extremamente cuidadosa, analítica e fria ao extremo.

Trata-se de um ser sem culpa, de um sociopata que por um prazer que lhe fora proporcionado decorrente de um poder que lhe fora dado durante determinado tempo de sua vida, fala do que fez ora de forma confusa e matreira, ora de forma direta e sem pudor, demonstrando ao fim de tudo que o fazia para sentir-se, naquele período, maior do que os seus semelhantes, através de meios inaceitáveis.

É este senão, o maior assassino do período da Ditadura em nosso país, um dos maiores, se é possível ter havido maior, bem como o coordenador  de todos os demais que destruíram famílias inteiras com seus assassinatos e atos.

Aproveite este momento histórico, se é que pode-se dizer isso, no mínimo para que não se faça vista grossa de algo que não pode ficar como está e que deve sim, por meio da CNV, ser trazido a público para a honra de uma nação e para o alento das famílias das vítimas e desaparecidos pelas mãos de seres repugnantes como Paulo Magalhães que envergonham a todos, e principalmente, os que hoje fazem parte da corporação militar da qual fez parte, o Exécito.       

parte 1/2.




parte 2/2.



Post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.