Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

domingo, 4 de setembro de 2016

Uma história inacabada, o caso Rubens Paiva.


Uma história inacabada, o caso Rubens Paiva
02/03/2012 
A ditadura militar acabou há 27 anos, mas o Brasil ainda não tem resposta a uma pergunta simples: o que aconteceu com os desaparecidos políticos? 
Até hoje, as famílias convivem com o luto em suspenso nessa história inacabada.
No programa especial que pode ser visto abaixo, que fiz para a GloboNews, com o jornalista Cláudio Renato, falamos dos desaparecidos políticos, do caso Rubens Paiva, da Comissão da Verdade.
No dia 20 de janeiro de 1971, feriado no Rio, Rubens Paiva, deputado cassado pela ditadura, foi capturado pelos miltares. 
Rubens é um dos 183 desaparecidos políticos cujo paradeiro a Comissão Nacional da Verdade quer investigar.
A Procuradoria da Justiça Militar do Rio e Espírito Santo reabriu 39 casos de desaparecidos políticos, começando pelo de Rubens Paiva. 
Os militares sempre disseram que a Lei de Anistia encerrou todos os casos que aconteceram antes de 1979, mas o promotor da Justiça Militar Otávio Bravo encontrou um novo caminho que derruba essa tese de que tudo foi encerrado.
Nessa reportagem especial também conversei com os filhos de Rubens Paiva. Eliana Paiva, uma delas, que falou pela primeira vez, contou como foi o dia em que os militares a levaram presa para o DOI-Codi. 
Ela tinha 15 anos.
Em breve começará a funcionar a Comissão da Verdade, que quer investigar a violência de Estado. 
Mas o tema divide opiniões. Para os militares que são contra essa comissão, o que houve à época foi uma guerra contra os que queriam, segundo eles, implantar uma ditadura comunista no Brasil.
Um deles é o general Luiz Eduardo Rocha Paiva, ex-secretário-geral do Exército.
Para os que são a favor da Comissão, os que lutaram, inclusive com armas, queriam derrubar a ditadura.
Para esse programa especial, também conversei com a ministra Maria do Rosário Nunes, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, e com José Genoíno, indicado pelo Ministério da Defesa.
Hoje, a maioria dos brasileiros tem menos de 40 anos, ou seja, não tinha nascido quando tudo isso aconteceu. 
Mas o Brasil foi o único país da América Latina que não providenciou a investigação de casos cometidos na ditadura. 
Essas histórias precisam de um final.
Blog: Antes de os amigos(as) verem ou reverem este verdadeiro trabalho monumental de Miriam Leitão, gostaria de registrar que deparei-me com este material, inicialmente, em decorrência do que li e postei aqui sobre o caso pessoal da jornalista Miriam Leitão. 

Assisti ao mesmo no canal no Youtube de Paulo Angotti.

Faço registro disto por um motivo interessante, um acontecimento o qual me chamou por demais atenção.

No canal de Paulo, assim encontra-se escrito pelo próprio:

"Publicado em 6 de mar de 2012
Uma história inacabada, o caso Rubens Paiva
(Em virtude das agressões nos comentários, me vejo obrigado a impedir que eles ocorram).
Os comentários estão desativados para este vídeo.", destaque do blogueiro.
Vejam todos que em pleno séc.XXI o Youtuber teve que desativar os comentários em decorrência de "Ofensas", sim ofensas, vejam vocês, sobre assunto que trata diretamente de um momento histórico que não deve e não pode ser esquecido jamais.
Trata-se de uma verdadeira barbaridade abominável por parte daqueles que ofenderam e ainda ofendem este tipo de material, da mesma forma aqueles que os fazem, bem como os interessados como eu, pelo assunto e por motivos de maior, se possível total esclarecimentos do que ocorreu neste período negro de nossa história recente.
Isso é inadmissível sobre qualquer óptica.
Veja abaixo a reportagem, vencedora do Prêmio Vladimir Herzog de 2012:


post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.