Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Admirável mundo torto.



Três operadores jurídicos conversavam, quinta-feira passada, em saudável happy hour.
Um deles, oriundo do Ministério Público, contou que, na noite anterior, fizera massagem na sua namorada, com azeite de oliva finíssimo, enquanto sussurrava ao ouvido dela a sua mais recente satisfação: a lei que concede à categoria uma gratificação por acúmulo de ofícios.
E confidenciou que, depois, transaram e que o onomatopeico clímax dela durara "mais de dois minutos".
O outro integrante da roda, um juiz estadual, contou história semelhante:
- Massageei o corpo da minha mulher com um creme afrodisíaco, enquanto revelava a ela que vamos receber - além do salário - mais R$ 4 mil mensais, a título de auxílio-moradia. Eu disse a ela, ainda, que na terça-feira (30) o Conselho da Magistratura pode estar autorizando também o nosso auxílio alimentação.
E também confidenciou, na roda, que haviam transado e que o prolongado clímax fora "incrivelmente gostoso".
O terceiro era um advogado, que contou uma história diferente:
- Eu estava fazendo massagem na minha noiva, usando margarina, quando ela me perguntou se eu estava recebendo bons honorários. Contei, então, que faço parte daquele grupo de advogados que, nos últimos meses, tem recebido, por sentença, misérias sucumbenciais que variam de 40 a 100 reais.
Houve, então, um solidário silêncio, afinal interrompido por uma pergunta simultânea feita pelos outros dois:
- E daí, o que aconteceu?...
O advogado foi sincero:
- Caímos num buraco negro. A minha noiva perdeu a libido, eu tomei um porre e lá pelas 10 da manhã acordamos em estado de profunda depressão! Agora estamos juntando dinheiro para consultar um psiquiatra...
fonte: Espaço Vital
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.