Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Imagens.


A Grande Guerra em cores - A fotografia colorida na Primeira Guerra Mundial (1914-1918).


Antes de mostrar as fotos coloridas da Primeira Guerra, faremos um breve relato da evolução da Fotografia Colorida:
As fotografias coloridas existem desde o início da Fotografia, nos anos 1820-1830. As fotos tiradas eram coloridas manualmente pelo próprio fotógrafo, no momento que ele revelava o filme. Porém essa técnica não era perfeita, pois a tinta que o fotógrafo usava sumia com o tempo. A primeira foto colorida definitivamente foi tirada pelo físico James Clerck Maxwell, em 1861.

Fotografia colorida definitiva, tirada por Maxwell em 1861
Porém, mesmo com os experimentos de Maxwell e outros físicos na área da ótica e fotografia, o primeiro filme colorido de fotografia, o Autocromo, só chegaria aos mercados no ano de 1907.
Um dos principais nomes na evolução da Fotografia Colorida é o russo Serguei Mihailovitch Prokúdin-Górski, que nos anos 1910 desenvolveu sua própria técnica de fazer filmes Autocromos. Na mesma década ele pediu ao Tzar Nicolau II um patrocínio à sua expedição pelo Império Russo, para registrar tudo em fotografias coloridas. Seu trabalho foi um sucesso, fazendo lindos registros da Rússia Imperial.

Serguei Gosrkí em 1912. Essa foto foi tirada com umas de suas máquinas fotográficas.

Podemos ver, a partir dessa pequena introdução, que na época da Primeira Guerra Mundial, já existiam meios de se tirar fotos coloridas definitivas. Abaixo seguem essas fotos, tiradas tanto nas trincheiras alemãs quanto nas trincheiras francesas, no Front Ocidental:
As fotos francesas: Essas fotos foram tiradas pelo fotógrafo Jules Gervais-Courtellemont, que acompanhou as tropas francesas e os civis franceses na região de Rheims e Soissons, em 1917.
Em um dos raros períodos de folga, soldados franceses relaxam um pouco enquanto seu companheiro ganha um corte de cabelo e barba. Floresta de Hirtzbach, 1917. 

 Crianças francesas brincando em meio aos escombros da cidade Rheims, 1917

 Membros da Cruz Vermelha francesa, Cidade de Rheims, 1917

Três soldados franceses posando perto de um caminhão usado para transportar suprimentos. Soissons, 1917.

Soldados franceses observam a "Terra de Ninguém", vigiando para que nenhum movimento inimigo passe despercebido. Floresta de Hirtzbach, 1917.

Um trem francês é danificado depois de uma barragem de artilharia alemã. Soissons, 1917.
As fotos alemãs: Todas as fotos aqui foram tiradas pelo fotógrafo Hans Hildenbrand. Ele acompanhou as tropas alemãs na Região de Champagne, de Junho de 1915 até Janeiro de 1916.

Oficiais alemãs discutindo próximas ações de combate. Região de Champagne,1915-1916.

Foto tirada do topo da Colina Hartmannsweiler Kopf. Quando Hildenbrand foi fotografas as tropas alemãs no verão de 1916, ele ficou com estas tropas, posicionadas nesse morro estratégico na região  da Alsácia por mais de 1 ano.

 Alemães conversando, em um dos raros momentos de intervalo entre a troca de tiros com as tropas francesas. Região de Champagne,1915-1916.

O Inverno de 1916-1917 na região da Alsácia

 Uma das coisas mais impactantes sobre o trabalho fotográfico de Hildenbrand era como ele, livremente, registrou a destruição da guerra. Durante a Segunda Guerra Mundial, nenhum dos lados conflitantes deixaria seus fotógrafos tão livres quanto os alemães deixaram Hildenbrand.

Equipe de metralhadora pesada alemã. Região de Champagne, 1916.
Fontes:
A Fotografia - Entre documentos e a Arte Contemporânea, por André Rouillé
Fotos francesas coloridas da Primeira Guerra Mundial: http://www.retronaut.com/2011/10/colour-photographs-1914-1918/
Matheus Santos da Silveira
Professor de História formado pela PUCPR
Especialista em História Contemporânea e Relações Internacionais, pela PUCPR
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.