Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

terça-feira, 23 de maio de 2017

Hilda Clayton.


A fotógrafa americana que registrou o momento de sua própria morte em explosão no Afeganistão.

A foto tirada por Hilda Clayton no momento de sua morte.
O Exército americano divulgou uma imagem feita por uma fotógrafa da instituição mostrando o exato momento em que ela e quatro afegãos foram mortos, em uma explosão na província de Laghman (leste do Afeganistão).
A especialista em informações visuais Hilda Clayton, na época com 22 anos, e os homens morreram quando um morteiro explodiu acidentalmente durante um treinamento das tropas, em julho de 2013.
A foto, inédita até agora, foi publicada pela revista oficial Military Review, com autorização da família de Clayton.
Outra imagem recém-divulgada, também registrando o momento da explosão, foi feita por um militar afegão a quem Clayton ensinava técnicas de fotojornalismo.
O aprendiz também foi morto no acidente, junto a outros três soldados afegãos.
"A morte de Clayton simboliza como as soldados do sexo feminino estão cada vez mais expostas a situações perigosas em treinamento e em combate, ao lado dos homens", escreveu o Exército americano em sua publicação.
À revista Time, o editor da Military Review, Bill Darley, disse que as fotos chegaram por intermédio de um militar que serviu o Exército com Clayton.

Esta foto, também da explosão fatal, foi tirada por um afegão que estava sendo treinado por Clayton.
O Exército afirmou que Clayton "não apenas ajudou a documentar atividades voltadas ao fortalecimento da parceria (entre EUA e Exército afegão) como também compartilhou os riscos de participar desse esforço."
A fotógrafa foi homenageada pelo Departamento de Defesa americano com a criação de um prêmio de fotografia que leva seu nome.

Clayton tinha 22 anos quando morreu.
Clayton foi homenageada com a criação de um prêmio em seu nome; acima, fotógrafo participante da competição.
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.