Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Melanie Klein.




Melanie Klein foi uma das maiores psicanalistas da história.
Suas teorias vieram de seus trabalhos com crianças, o que possibilitou a investigação psicanalítica dos primeiros meses de vida, abrindo as portas para o tratamento de pacientes psicóticos.
Outros desenvolvimentos se seguiram à psicanálise de crianças, como o estudo dos estados maníaco depressivos, a identificação projetiva como defesa do ego, e a inveja primária na constituição da personalidade.
Melanie Reizes nasceu em Viena, em 30/03/1882.
Sua vida pessoal é repleta de perdas e decepções. 
Seu pai se chamava Moriz Reises. 
Sua mãe, Libussa aparentemente era extremamente dominadora e invasiva, trabalhando em uma loja de plantas e animais exóticos para ajudar na renda familiar. 
Sua gravidez não havia sido desejada. 
Era bastante apegada à sua mãe e a irmã Sidonie. 
Tinha quatro anos quando a irmã Sidonie morreu de tuberculose aos oito anos de idade; tinha dezoito quando o pai, debilitado havia longos anos, morreu, deixando-a com a mãe; tinha vinte quando seu irmão Emmanuel, que a influenciara muito, morreu esgotado pela doença, pelas drogas e pelo desespero.
Casou-se cedo aos 17 anos, com o engenheiro químico Arthur Stevan Klein, com quem ficou casada até 1926, com então 44 anos. 
Klein sofria com as constantes viagens do marido, bem como com seus problemas com depressão. 
Teve 03 filhos: Mellita, Hans e Erich. Mellita se mostrará sua adversária ferrenha no campo psicanalítico, e Hans morre em um acidente de alpinismo em 1934 (suspeita-se que tenha sido um suicídio). 
Klein morre em 1960, ironicamente, não de câncer, cuja cirurgia fora bem sucedida, mas por complicações em função de uma queda enquanto se recuperava dessa cirurgia.
Em 1914, iniciou sua análise com Sandór Ferenczi, em Budapeste e em 1919, tornou-se membro da Sociedade Psicanalítica da Hungria.
Em 1925, a pedido de Ernest Jones, muda-se para Londres, e em 1927, torna-se membro da Sociedade Britânica de Psicanálise.
Em 1932, Klein publica seu livro “Psicanálise de Crianças”, livro que até hoje é a base para trabalhos com crianças.
Em 1935, publica “Uma contribuição à psicogênese dos estados maníaco-depressivos” que apresentava o conceito de “posição depressiva”.
Em 1940, publica “O luto e suas relações com os estados maníacos-depressivos”, onde amplia os conceitos já introduzidos pela posição depressiva, postulando que o luto não seria mais que uma repetição das sensações dessa posição.
Em 1955, foi fundada a Fundação Melanie Klein. No mesmo ano foi publicado o artigo 
''A técnica psicanalítica através do brinquedo"; sua história, sua significação, escrito a partir de uma conferência de 1953.
Em 1960, ficou anêmica e em setembro foi operada de um câncer do cólon. Morreu no dia 22 de setembro, aos 78 anos de idade.


referências e leia mais:

post: Marcelo Ferla
fonte: Mulheres na História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.