Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

domingo, 1 de novembro de 2015

Daniel Feix: filme "Os 33" é emotivo e fake.

Daniel Feix: filme "Os 33" é emotivo e fake.
Longa que dramatiza caso dos mineiros chilenos presos em 2010 estreia nesta quinta-feira nos cinemas
Por: Daniel Feix

Antonio Banderas (centro ao) é na frente de grande elenco
Foto: Fox / Divulgação.
Os 33 é um tributo aos mineiros que atraíram os olhares de todo o mundo cinco anos atrás. 

Como tal, é emotivo. 

Isso envolve o espectador em alguns momentos, mas, em outros, quando a diretora Patricia Riggen perde a mão, escancara um problema que está na origem do projeto: trata-se de um filme contaminado por suas concessões.
Fala-se praticamente só inglês em Os 33, já que, não fosse assim, os norte- americanos não o assistiriam – e o mercado doméstico é fundamental para a máquina de Hollywood. 

Não há freios na tentativa de humanizar os heróis, o que os deixa com perfis semelhantes – o contrário do que se presume ocorrer naquelas condições propícias a ataques de nervos. Mas não deixaria de haver um vilão, e o roteiro baseado no livro de Hector Tobar trata de personificá-lo tão rapidamente na figura do dono da mina que sua indiferença para com os operários soa fake.
Esse, aliás, é um problema da diversidade do elenco: há tantos e tão diferentes sotaques que raras situações construídas realmente parecem espontâneas. 

O naturalismo, que poderia fazer tão bem às sequências de confinamento, passa longe de Os 33.
Pior do que o estranhamento ao ver a grande atriz chilena Paulina García (de Gloria) falando em inglês em seu próprio país é o constrangimento ao qual foi submetida Juliette Binoche, aqui caracterizada como a mais estereotipada das vendedoras de empanadas já vistas no cinema. Tudo bem que é um filme "para gringo ver". 

Mas a história pedia muito mais do que isso.


post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.