Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Cinema.


A TEORIA DE TUDO.
por Carolina Vila Nova
Um físico genial e mundialmente famoso, que irá... não lhe dar uma aula, mas uma lição de vida!


Quando o famoso Stephen Hawking publicou o seu livro “Uma breve História do Tempo: do Big Bang aos Buracos Negros”, eu tinha apenas treze anos de idade. 

Sabia que o físico era conhecido por sua genialidade e superação, convivendo com sua terrível doença degenerativa. 

Mas até então, mais nada eu sabia sobre ele.
Ontem, quando tive o inenarrável prazer de assistir ao longa-metragem “A Teoria de tudo”, vi muito mais do que um físico famoso e um homem superdotado de inteligência, mas um ser humano com o melhor senso de humor, que já posso ter visto. Este foi o lado de Hawking que mais me surpreendeu.
A cinebiografia de Stephen começa na época em que conheceu e casou-se com sua primeira esposa e ainda estava na Universidade, com vinte e três anos de idade. 

Logo ele recebe a notícia de sua doença e sua expectativa de vida, que seria de apenas dois anos. Jane, sua então atual namorada, tinha todos os motivos do mundo para desistir do jovem. No entanto, ela se casa com ele, para aproveitar o tempo que lhes restam.
Apesar de o filme mostrar a trajetória de sucesso do protagonista como físico, o que mais chama a atenção é o lado humano de Stephen Hawking. 

O inglês parece nunca perder o bom humor: brinca com os filhos, correndo atrás deles com a cadeira de rodas. Ri de si mesmo ao ficar preso dentro de uma blusa, ao tentar vesti-la. 

Diverte-se ao ser colocado no colo de uma estátua, enquanto seu amigo busca sua cadeira de rodas na parte baixa de uma escada. 

E tantas outras situações, que ao mesmo tempo parecem ser hilárias, seriam consideradas trágicas pela maioria de nós.
O filme remete a profundas e intensas reflexões e sentimentos. O amor de Jane por Stephen, que é maior do que a doença cruel e incurável, que ambos enfrentam. 

A situação financeira do casal, que não lhes permitia facilidades como uma enfermeira ou uma empregada doméstica. A época em que eles vivenciaram a experiência, ainda sem toda a tecnologia de agora. 

Mediante tantas dificuldades, dores e aumento constante de suas limitações físicas, o humor de Hawking parece refletir gratidão pela sua vida.
Acredito que muitos, que veem o filme, se imaginam no lugar de Hawking, e não conseguem deixar de sentir a sua força indiscutível como ser humano. 

Uma vez que a maioria de nós sofre constantemente, pelas gordurinhas a mais, pela pele judiada com o tempo, pelo cabelo que se perdeu e pela vivacidade que se vai a cada dia, a história real de Hawking nos escancara, o quanto essas exigências sobre nós mesmos são extremamente banais e desnecessárias.
Refletimos ainda sobre o quanto pode ser grande e sincero um amor: o de Hawking por ele mesmo, e o de sua primeira esposa por ele. 

E quando se pensa: “Uau, que sorte a dele ter tido uma mulher, que aceitasse suas condições”, ainda surge outra, anos depois, que se apaixona por sua genialidade e humor.
Não tenho dúvidas, de que para os físicos e matemáticos, a história e teorias de Hawking sejam mais do que sensacionais. 

Mas para mim, o que fica é sua lição de vida sobre o humor que mantém. 

Enquanto todos nos irritamos com tão pouco, como o trânsito de cada dia, o gênio tira sarro de si mesmo, por ter que dirigir sua cadeira de rodas, já com todas as dificuldades que possui, após beber uma garrafa de cerveja.
O ator Eddie Redmayne, que interpreta o protagonista, é fantástico e absurdamente convincente. Felicity Jones, como Jane Hawking e maravihoso elenco. 

Há ainda a maturidade do casal, ao lidar com as demais pessoas que surgem entre suas histórias amorosas. Faz todo ingresso valer a pena!
Hawking ainda procura a solução para sua Teoria de tudo.
Mas na prática já descobriu muito mais do que o resto da humanidade: amor e gratidão!  

Trailer:



A teoria de tudo: As lições de vida de Stephen Hawking provam que as nossas limitações são alimentadas somente por nós.
“Independentemente do cenário desfavorável das nossas condições e ambiente, onde há pulso, há amor, e este sentimento não é isento, como muitos acreditam, em pessoas ditas racionais”.


Nunca me esquecerei da primeira vez em que vi em uma revista científica aquele rosto, com todo aquele abandono corporal estampado em página dupla. 

Quem nunca se questionou de qual partícula cósmica a que Stephen Hawking tanto se dedicava vinha tanta motivação e continuidade para aplicar a sua inteligência?
Ele provou para o mundo que um corpo sem mente sã padece de fato, já que não precisou tanto de seu aparato físico para impressionar o planeta com descobertas científicas pós–Einstein: bastava o cérebro, com todos os seus questionamentos e inquietudes humanas para nos conduzir à evolução de pensamento.
O filme “A teoria de tudo” retrata de forma apaixonante esse homem dotado de ironia cômica e ambição em demonstrar aquilo que muitos jovens não questionam: o tempo, de onde viemos, para onde vamos, qual o começo de tudo. 

Claro que a película não se trata apenas de física, mas de detalhes pessoais que evidenciam os seus maiores trunfos.


Apesar de algumas críticas ao longa metragem a respeito da supervalorização do romance e da vida pessoal do protagonista em detrimento de sua importância para a ciência, é preciso concordar que praticamente ninguém suportaria quase três horas de um quase-documentário sobre buracos negros e a expansão do universo. 

Afinal, o fato de Hawking ser um ícone da física é tão notório quanto a fórmula E=mc² desenvolvida por Einstein, e o que procuramos na sétima arte é justamente aquele suspiro ou o aperto no peito no desenvolver da história. 

Sem falar também naquela nossa curiosidade inata em saber como um super gênio premiado, com doutorado em Cambridge, viveu e suportou suas fragilidades sentimentais – será que da mesma forma que nós, pessoas com outros interesses e com dificuldade em calcular a divisão da conta do jantar também lidamos?


Descobri somente ao assistir ao filme, por exemplo, que ele havia se casado com uma mulher não ateísta, quando Stephen era uma das maiores referências nos discursos sobre falta de crença em um Deus – querem um exemplo maior de tolerância? Ainda mais nos dias atuais, em que as argumentações sobre um ente superior, criador das forças do universo, segregam mais do que unem.
Além disso, quantos propagam a ideia de que pessoas muito inteligentes tendem a ser individualistas e solitárias, talvez por não suportarem as limitações do outro? 

Quantas pessoas, em plena saúde, se tornam doentes ao deixar de acreditar no amor, nas pessoas, na próxima tentativa? 

Stephen não só continuou a testar suas teorias na física, mas também na afetividade: casou-se, mesmo ciente de que morreria em breve e, ao divorciar-se, casou-se novamente, desta vez com sua enfermeira (algo que não ficou claro durante o filme), mostrando mais uma vez que, independentemente do cenário desfavorável das nossas condições e ambiente, onde há pulso, há amor, e que este sentimento não está isento em pessoas ditas racionais.


Mesmo com suas impossibilidades físicas, continuou a aceitar os convites para premiações, (e até mesmo para gravação de CD, com o Pink Floyd, e uma participação especial em Big Bang Theory), e decidiu escrever o seu mais famoso livro “Uma Breve História do Tempo” e mais outra dezena de obras, quando vários, mesmo em plenas condições, recusam-se a sair de seus casulos por medo, preguiça, comodidade, ou até mesmo arrogância.

Utilizando de uma das frases célebres de Albert Einstein, outro físico apaixonado, é possível entender que não são nossos músculos que nos movem, mas o desejo (desta vez, o termo é de Freud): “Há uma força motriz mais poderosa que o vapor, a eletricidade e a energia atômica - a vontade”.
Chego, portanto, à seguinte conclusão (e que muitos céticos me apedrejem por isso): a expectativa de vida de Stephen Hawking foi superada porque não há força maior a nos manter vivos do que a paixão. 

Sem paixão, um homem com cérebro em plena capacidade, movimentos e inteligência, torna-se obsoleto, raso, limitado. 

E por mais contraditório que possa parecer, a vida de Hawking, devido a esta mesma paixão, não encontrou limites. 

Limites estes que muitos agregam à própria vida, mesmo com toda a potencialidade física, diminuindo suas expectativas para a próxima fração de tempo, este, que foi por ele tão contestado.
post: Marcelo Ferla 
fonte: Obvius

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.