Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Coisas bacanas.


Grades que aprisionaram Mandela são transformadas em obras de arte na África do Sul.
Marianne Thamm | Daily Maverick | Cidade do Cabo - 10/09/2014
Cerca da prisão da Ilha Robben é resgatada do lixo por artistas e tem sido utilizada em instalações e até joias.
Chris Swift e a cerca recuperada

Este é o tipo de história que aciona o reflexo, escondido profundamente dentro de nós, que nos faz pensar "droga, queria que isso tivesse acontecido comigo". 

Em 2009, Chris Swift, artista da Cidade do Cabo, graduado na Escola de Arte Michaelis e criador de obras de arte a partir de objetos descartados, acompanhou seu sobrinho e alguns amigos em uma viagem educativa. Eles cruzaram de balsa o agitado trecho marítimo entre a Cidade do Cabo e a Ilha Robben a fim de visitar o patrimônio da UNESCO onde Nelson Mandela e outros prisioneiros políticos cumpriram a maior parte de suas penas no cárcere.
Swift, que é uma espécie de artista catador, já produziu obras a partir de molas de colchões, carteiras escolares, muletas, baldes e até mesmo preservativos. Ele "reinterpreta coisas às quais há muito tempo nenhum olhar se dirige".
Diferentemente do muro de Berlim, que foi desmontado diante de muitas câmeras televisivas, o descarte da grade original da Ilha Robben foi testemunhado apenas pelos incumbidos da tarefa de removê-las e substituí-las. O evento foi, como era de se supor, completamente irrelevante e bastante entediante.
Foi uma grande sorte que, enquanto Swift e seus companheiros se preparavam para deixar a ilha, seu olhar treinado passasse por várias pilhas de grades enferrujadas e esmagadas, que estavam sendo colocadas em uma caçamba. Certamente, se ele não tivesse visto toda aquela sucata, ela teria sido despejada no aterro sanitário de Vissershok, nos arredores da Cidade do Cabo, para onde estava sendo levada.
Naquele momento, Swift pensou: "Estes caras não vão jogar estas coisas fora, vão? Quer dizer, isto é Patrimônio UNESCO, não deveria ser permitido tirar sequer uma pedrinha da praia".
Após alguns telefonemas, o artista descobriu que as grades de três metros de altura cercavam o Bloco D da Prisão de Segurança Máxima, onde Nelson Mandela, Walter Sisulu, Govan Mbeki, Tokyo Sexwale, Kgalema Motlanthe, Jacob Zuma e pelo menos outros três mil prisioneiros políticos foram mantidos desde 1961, quando a Ilha Robben foi convertida em presídio.
As grades que Swift viu serem cortadas e enviadas para o continente como lixo circundavam a prisão, mas ele entendeu que elas estavam imbuídas de um significado mais profundo. As grades também foram uma testemunha muda da história, para não falar da miséria, do isolamento e das esperanças e sonhos murmurados de algumas das figuras históricas mais importantes do passado recente da África do Sul.
As grades que encerraram Mandela e outros milhares de presos do Apartheid sul-africano 
Swift diz que as autoridades ficaram satisfeitas em poder lhe dar as grades, para que ele próprio as removesse. Após enviá-las para a Cidade do Cabo, o artista as levou até uma oficina onde foram processadas e cortadas.
Ele usou partes da cerca em instalações artísticas públicas – uma obra com 118 fragmentos empilhados e intitulada "Coluna de Nelson" foi instalada em frente à prefeitura da Cidade do Cabo, em 2010. Posteriormente, criou uma versão mais leve da obra, usando andaimes junto da grade. Swift também construiu uma réplica da cela de Mandela, em tamanho real, intitulada "A caneta é mais poderosa do que a espada" e, em 2010, doou um pedaço da cerca ao Museu do Apartheid, em Johannesburgo.
Mais tarde, o artista criou o Robben Island Arts Company and Trust (RIACT), que age como "depositário" das grades. Alguns fragmentos foram incluídos em obras de Swift e de artistas como Marc Alexander e Chantelle Potgieter.

O joalheiro Charmaine Taylor, da Cidade do Cabo, recebeu os direitos para a criação de joias feitas a partir de pedaços da grade, que são vendidas por valores entre 3000 e 7000 rands sul-africanos (644 a 1503 reais).

Taylor, cultivando a visão de Mandela, doa parte dos lucros a uma ONG local de fazendeiros orgânicos, Abalimi Basekhaya.
Até o momento, os produtos derivados da cerca se mostraram muito populares. Dois mil medalhões de ouro comemorativos do Patrimônio Mundial da Ilha de Robben, acompanhados de dois pequenos pedaços autenticados da grade, disponibilizados pelo Scoin (a divisão de vendas da Bolsa Sul-Africana de Moedas de Ouro) foram vendidos em um único dia.
Em maio desse ano, o gabinete da presidência da África do Sul comprou obras de arte realizadas com pedaços da cerca e com a figura de Nelson Mandela pelo artista Marc Alexander, e as deu de presente a todos que compareceram na posse do presidente Jacob Zuma, no dia 24 de maio.
fonte: Opera Mundi
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.