Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sábado, 14 de junho de 2014

Brasil desconhecido.



Pai vai buscar filho em protesto de black blocs em São Paulo.
"Você vai ter o seu direito quando trabalhar e ganhar o seu dinheiro, tá?", gritou o pai. Jovem de 16 anos dizia que protestava por saúde e educação.
POR O GLOBO
Em manifestação, pai tenta levar filho para casa - Globonews / Reprodução
SÃO PAULO - Um pai foi buscar o filho, que participava de um protesto de black blocs no Tatuapé, zona leste de São Paulo, nesta quinta-feira, marcado por atos de vandalismo e confronto com a Polícia Militar. O jovem, identificado apenas como Renan, de 16 anos, foi surpreendido com a chegada do pai, em meio à manifestação. O rapaz, que argumentava que tinha o direito de protestar, foi arrastado pelo pai. As imagens foram registradas pelo cinegrafista da TV Globo Marcelo Campos.
O diálogo mostra os argumentos do pai, que tenta convencer o jovem a voltar para casa, e do filho, que dizia protestar por melhores condições de saúde e educação.
- Deixa eu protestar. Eu não quero isso. Esse governo é errado - dizia o rapaz.
- Você vai ter o seu direito quando trabalhar e ganhar o seu dinheiro, tá? Eu sou seu pai, escuta o seu pai - falou o pai logo na chegada. - Ele é meu filho - argumentava o pai, retirando o filho, entre os manifestantes.
O pai tirou a camiseta do rosto do filho, dizendo “ você não é criado para isso. Eu trabalho para te sustentar, não é para você esconder a cara”.
- Eu quero escola, eu quero saúde. Deixa eu protestar. Minha avó quase morreu num hospital público. Você acha certo isso? Pelo amor de Deus, deixa eu correr atrás. Tanta gente morrendo. Deixa eu fazer a minha parte, ajudar um pouco. Eu sei que eu tenho 16 anos. Eu não vou me machucar, relaxa.
- Eu pago a sua escola. Eu e sua mãe trabalhamos para te sustentar. Vamos para casa, por favor, Renan. Você não vai mudar o mundo. Meu filho, você tem 16 anos, não é a hora agora. Eu te amo, cara. Você é meu filho. Eu estou pedindo demais? Renan, um passo de cada vez - implorava o pai, na presença de câmeras da imprensa.
No fim, ele foi convencido a ir para casa.
A discussão entre pai e filho e foi um dos principais assuntos entre moradores e comerciantes do Tatuapé na manhã desta sexta-feira, ao lado do rastro de destruição deixado pelo protesto do dia anterior. Em uma padaria, cadeiras de plástico foram queimadas. Funcionários de um posto de gasolina disseram que manifestantes roubaram galões de óleo usado para atear fogo em barricadas.
Enquanto tentavam descobrir quem era o pai que tirou o filho do protesto, vizinhos parabenizavam a atitude:
- Pelo menos esse senhor foi atrás do filho. Quantos outros pais sabem que os filhos estão no meio da confusão e deixam eles lá. Acho que não tem problema protestar, desde que não faça besteira, não quebre nada - disse o aposentado Raimundo Siqueira, de 71 anos.
- No começo, quando estavam só os metroviários, estava tudo bem. Mas depois chegaram uns caras que só querem fazer bagunça. O que eles querem? São contra tudo! Acho que fez certo esse senhor que levou o filho para casa - opinou a comerciante Sônia Maria de Souza, de 42 anos.
Segundo Sônia, outros comerciantes das ruas Serra do Japi e Platina também fecharam as portas com medo que os black blocs pudessem causar prejuízo. No começo da manhã, disse ela, ainda havia pedaços de pedra e madeira e lixo espalhados no chão.
O funcionário de um posto de gasolina, que pediu para não ser identificado, disse que perdeu a chance de faturar com a Copa do Mundo por causa do tumulto causado pelo protesto:
- A gente colocou uma TV na loja de conveniência e esperava receber o pessoal para ver o jogo. Mas com o protesto e a polícia, tivemos que fechar tudo. Ninguém ficou na rua.


Outros moradores disseram que, nesta sexta-feira, o bairro está mais policiado que o normal.
Marcelo Ferla
fonte: O Globo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.