Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Apoio essa luta!


Descobertas ‘células escudo’ que protegem os tumores.
Sua desativação facilita os tratamentos imunológicos contra o câncer, segundo revela a revista 'Nature Medicine'

EMILIO DE BENITO Madri
A imunoterapia contra o câncer –ensinar ao sistema de defesa do organismo a atacar as células tumorais- é apresentada como a nova revolução na oncologia. Mas não é fácil. A revista Nature Medicine publicou um artigo no qual o processo não é centrado diretamente em combater as células tumorais, mas outras que se proliferam ao seu redor e que, de alguma maneira, fazem as vezes de escudo. O trabalho, que foi realizado por um cientista do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas, consiste, basicamente, em identificar peptídeos (pequenas cadeias de aminoácidos, que são as ligações que formam as proteínas) que têm a capacidade de se unirem especificamente a essas células escudo, as células supressoras de origem mieloide (MDSC na sigla em inglês). Desta maneira, elas são marcadas e identificadas para um ataque dirigido que as elimine.
Essa é a segunda parte do ensaio: unir esses peptídeos com anticorpos. Chamaram em inglês o conjunto resultante de peptibodies (pepticorpos). O resultado é similar ao de acrescentar um explosivo a uma chave: atuará somente contra a fechadura específica. Com este processo é possível dirigir o ataque às células que se quer eliminar, as MDSC. Assim, as células tumorais ficam expostas ao sistema imunológico convenientemente educado.
Larry Kwak, que dirigiu o trabalho junto a Hong Qin, explica: "Há uma década sabíamos que estas células bloqueavam [as MDCS] a resposta imune, mas não havíamos sido capazes de desativá-las porque não tínhamos identificado o alvo."
Essa busca de ligaçõesfoi a chave do trabalho. Para encontrá-los, a equipe de investigadores, que não contava com uma ideia de que partes das MDSC eram as melhores para atuar, recorreu a um sistema que poderia ser qualificado de pouco sutil: provar às cegas toda uma série de peptídeos das bibliotecas existentes, até encontrar os que se uniam à superfície destes escudos das células tumorais. No final, encontraram dois, que chamaram de G3 e H6. Estes tinham uma vantagem a mais: não apenas se uniam às MDSC que queriam eliminar, mas também não se unem a outro tipo de células. Isso é importante porque permite direcionar a terapia, e é chave para, se chegar a ser testado em humanos, evitar efeitos secundários.
Para verificar que esta ideia funciona, os investigadores trataram camundongos com dois tipos de câncer de timo (um pequeno órgão que se encontra no peito e produz, nos primeiros momentos do desenvolvimento, células do sistema imunológico) com várias combinações: a uns deram os novos pepticorpos; a outros deram outras substâncias que fizeram para controle. O primeiro resultado notado é que o grupo tratado com as novas moléculas reduzia sua quantidade de MDSC, o que era sinal de que a ideia funcionava. "É a primeira demonstração de que podemos criar anticorpos para essas células. É um alvo radicalmente novo para a imunoterapia", disse Kwak.
O investigador crê que, a partir de agora, pode voltar à ideia inicial de provocar uma resposta imunológica (que geralmente é chamada de vacina, ainda que não funcione como as que conhecemos para muitas doenças infecciosas) para estimular a resposta imunológica contra as células cancerígenas. Isso, até agora, não havia funcionado. "A chave para levar as vacinas do câncer a outro nível é combiná-las com imunoterapias destinadas aos microentornos do tumor", expõe Kwak.
Mas isso não é suficiente. O verdadeiro objetivo dos investigadores não são as células que fazem o escudo, mas verificar que, uma vez eliminado este, os tumores diminuam. E isso também comprovaram: trataram os camundongos com os pepticorpos diariamente durante duas semanas, e, no final, os cânceres tinham sido reduzidos pela metade.
As notícias são esperançosas, mas incompletas. Por exemplo, os próprios autores do trabalho indicam que não sabem exatamente como as MDSC atuam em seu papel de protetor das células tumorais. Contudo, os investigadores já estão trabalhando para estender seus resultados de camundongos para humanos.
Marcelo Ferla
fonte: El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.