Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

domingo, 27 de abril de 2014

Curiosidades.


Veja as versões originais (e não tão bonitas) de alguns contos de fadas!
Alguns contos de fadas que conhecemos, foram se modificando ao longo do tempo. Veja como eram algumas histórias no seu formato original (desculpa se eu estragar tua infância depois desse post):
1 – Chapeuzinho Vermelho:
Aquela historinha com um finalzinho bonitinho que nós conhecemos, na qual a Chapeuzinho Vermelho, é salva pelo caçador, que mata o lobo mau, não era bem assim inicialmente.

A versão original foi feita pelo francês Charles Perrault e não era tão bonita assim! Nessa versão, chapeuzinho é uma garotinha bem educada que recebe falsas instruções quando pergunta ao lobo sobre o caminho até a casa da vovó. No fim, ela é simplesmente devorada pelo lobo. Só isso, e a história acaba. Não há caçador e nem vovozinha, apenas um lobo gordo e a Chapeuzinho Vermelho morta.

A moral da história é que não se deve falar com estranhos.
2 – A pequena sereia

Ah… quem não lembra da sereia Ariel que termina a história sendo transformada em um ser humano para que possa casar com Eric. Há uma festa maravilhosa com a presença de seres humanos e seres do mar. Mas originalmente ela não era assim não.
O cara que escreveu a história original se chamava Hans Christian Andersen, e na história dele a Ariel vê o príncipe casar-se com outra e entra em desespero.

Oferecem-lhe uma faca com a qual ela poderia matá-lo, mas, em vez disso, ela salta para o mar e morre ao voltar para a costa. Hans Christian Andersen modificou um pouco o final para amenizar a história. Na nova versão, ao invés de morrer na espuma da praia, ela se torna “filha do ar”, esperando ir para o céu. De qualquer forma, ela morre.
3 – João e Maria

A história que nossa avó nos contava era a de que duas crianças que se perdem na floresta e encontram uma casa feita de doces e guloseimas que pertence a uma bruxa. Elas então são aprisionadas enquanto a bruxa se prepara para comê-las. Eles conseguem escapar e atiram-na no fogo, salvando-se.
Mas na primeira versão dessa história a coisa é um pouco mais macabra, o conto se chamava “As Crianças Perdidas“, ao invés de uma bruxa, havia um demônio, que também era enganado pelas crianças. Contudo, ele não caía na cilada e estava prestes a colocá-los na guilhotina. As crianças fingiam não saberem como entrar no instrumento e pedem para a esposa do demônio mostrar como se faz. Nesse momento, elas cortam seu pescoço e fogem.
4 – Branca de neve

Na história da Branca de Neve que nós conhecemos, a rainha manda o caçador matá-la e trazer seu coração como prova. O caçador não consegue fazer isso e lhe traz o coração de um tipo de porco.
Porém, a Disney omitiu detalhes importantes: no conto original, a rainha pede o fígado e os pulmões de Branca de Neve, que serão servidos no jantar daquela noite! Também no original, a princesa acorda com o balanço do cavalo do príncipe, enquanto era levada para o castelo.

Não há nada de beijo mágico. O que o príncipe queria fazer com o corpo desfalecido de uma garota é algo que vou deixar para sua imaginação. Ainda na versão dos irmãos Grimm, a rainha má é forçada, no final, a dançar até a morte usando sapatos de pedra, quentes como brasas.
5 – Os três porquinhos

A história dos Três Porquinhos foi muito amenizada para as crianças de hoje, ao contar uma história cheia de violência sem mostrar violência. E com uma liçaozinha de moral no final!
O conto original não é mais longo, já que o lobo mau não perde tanto tempo assoprando casas. Ele faz isso para pegar os dois primeiros porquinhos. Aqueles coitados são logo pegos e devorados. O terceiro porquinho — o mais esperto de todos — é o entrave. Sem conseguir assoprar a casa de tijolos, o lobo tenta blefar.

Ele faz de tudo para trazer o porco para fora de casa, promete nabos, maçãs, e uma visita à feira. O porco recusa a tentação, sabendo que há coisas mais importantes.
O lobo decide então voltar à violência. Ele escala a casa e entra pela chaminé. Porém, o porquinho tinha planejado isso, e colocou um caldeirão de água fervendo na lareira. O lobo cai ali dentro e morre. Ele — e os dois outros porquinhos em seu estômago — são agora o sinistro jantar do terceiro porco.
fonte: pretinho básico
post: Marcelo Ferla

Um comentário:

  1. Quem curte o assunto pode ler as histórias subversivas, sombrias ou divertidas de Paula Mastroberti, que estuda os contos de fadas, em ótimas releituras !

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião.