Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Opinião do Blogueiro.


Roda rodinha
Venho acompanhando de perto certos acontecimentos pelo país que tem me levado a um pensamento único, o de que estamos retrocedendo em nossos atos e pensamentos na velocidade da luz.
Ao me deparar com certas notícias, e estas, notem, estão a cada dia ocupando mais espaço em nossos meios de informação, me pego pensando que alguma coisa está revirada, descontrolada e o pior, atordoada.
A lista realmente não é pequena, não que tenha aumentado de fato, veja bem, vivemos em um país onde a imprensa e os meios de mídia ou filtram informações para poupar a sociedade ou está divulgando com maior frequência notícias de fatos que acontecem a todo o momento de uma forma tão comum e intensa que nem ela, imprensa, consegue cobrir tudo que gostaria.

De minha parte confesso a vocês que fico com a segunda opção é a que dá ibope e muito. Com isso vem o primeiro sintoma do que eu poderia chamar de fadiga por repetição crônica social.  
Importante salientar que não falo aqui daqueles atos que quando cometidos os são por criminosos infiltrados em manifestações, greves ou seja lá qual for à reivindicação social e bandeira que se está levantando. Vivemos no que gostam de chamar como expressão atualmente fashion em um “Estado falido”. Sim, concordo. Mas devemos agir e apoiar quem age de certa forma contra certos atos repulsivos ou nem tanto assim? Não, não concordo.
Se pegarmos um ladrão, amarramos este em uma barra de ferro, nu, com as genitálias para baixo para que queimem no calor da calçada, que espetáculo, flashes por toda parte, roda de curiosos, seria uma obra de arte de cunho social?

Por favor, eu não posso concordar com isso.
Se não estamos satisfeitos com os meios de transporte, colocamos fogo nos ônibus, depredamos metrôs, quebramos estabelecimentos comercias e particulares, se o sistema carcerário está superlotado em decorrência da falta de revisões de processos de execução penal, se há maus tratos, tortura em decorrência da alienação mental daqueles que deveriam vigiar e não punir ao descarregam suas frustrações em ratos soltos ao pátio, estes, os excluídos, ficam mais irados ainda e, como reflexo, cortam cabeças de outros apenados. Alias antes que pense algo contrário você já visitou um presídio para opinar como faz por ai?
Notem que logo depois do fato consumado se tem uma reação desencadeada e executada de forma desproporcional ao que ocorreu ou ocorre, algo de errado aconteceu, mas porque aconteceu? Por que ocorre esse reflexo, reação, mera consequência?
Não me venham com declarações que li no facebook e em outras redes sociais como, se o Estado não faz nós faremos, bem que mereceu, se ferrou, deveriam é ter matado de uma vez por todas, mereceram mesmo, fim ao Estado totalitário, põem fogo mesmo que ai eles baixam o valor das passagens.
Isso é simplório demais, baixo demais, raso, sem argumento, pensamento e inteligência então nem comentemos, pensar é chato, sejamos imediatistas.
Ora meus amigos, as coisas definitivamente não se resolvem assim.
Quanto ao Estado, em parte concordo que ninguém é mais culpado do que ele, mas o que é Estado? Diz-se democrático e, para aqueles que dizem que já perdeu essa identidade quase que me convenço ao ver que estamos na época de Talião.
Estamos em um pânico coletivo tamanho que este nos desnorteia e com esse quadro de labirintite justiceira tonteamos e tontos não pensamos.
Não se enganem e nem me chamem de defensor dos malditos e mentes do mal, de esquerdinha caviar, membro dos direitos humanos ou de comunista made in fundos de casa. Nem comecem, não percam seu precioso tempo.
A questão é que estamos colocando para fora uma insatisfação localizada em várias áreas e de uma forma tão brutal que sequer não conseguimos mais nos convencer de que isto não pode ser feito de outra forma.
Talvez não saibam, mas existem sim soluções que podem partir de nós, também somos Estado, mas ai vem a nossa preguiça, a do Estado, pois o somos. Quanto a preguiça dos entes políticos, também Estado, esta é compreensível ocorres sempre, não dá lucro fazer estas coisas ai. Não devemos falar que somos o Estado somente quando queremos colocar fogo e quebrar tudo, prender um ladrão como se faz em filme da época escravocrata.
Nós, em decorrência de um vício mental e de uma lavagem cerebral que estamos sofrendo dia após dia, por demais perigosa alias, passamos a criar uma bola de neve que só faz crescer.
Peguemos os transportes públicos como exemplo. Não são suficientes nem tão pouco adequados em sua logística, conforto e valor, ainda mais em um país que se diz estar bem financeiramente. Revolta, claro.
Ai, por represália, típica do corno desiludido, vamos lá e culpamos o amante ao invés de nos separarmos da esposa traidora, colocamos fogo e depredamos os meios de transporte que já não são lá esta coisa. Logo após, aproveitando a situação, alegando insegurança (alguns são sinceros em dizer isso) os sindicatos, promovendo o direito de greve, a exercem pedindo mais grana e com esta ficamos sequer com o transporte público que tínhamos a disposição, aquele do início do parágrafo, reclamamos que não tem, vamos perder empregos, tempo, vida, alegamos tudo sem argumentos e muito menos memória de como se chegou até aqui. Pois lhes digo uma coisa, ser sindicalista neste país pode lhe levar a presidência do país, não esqueçam.
Não quero aqui dizer que não devemos fazer nada, nos calarmos e sermos servos do destino que nos colocam a disposição, mas quero me fazer entender, no sentido de que no fim disso tudo ninguém sai beneficiado quando as coisas acontecem dessa forma e muito menos estas se apresentam como solução, tanto que tempos depois ocorrem novamente.
Caso fosse forma de solução, já não teríamos problemas com os meios de transporte, as prisões estariam controladas, assim como o crime organizado, as milícias, os políticos seriam todos honestos, teríamos uma sociedade de civilizados ao extremo, quase robôs, seríamos capazes até de estranhar, pois somos humanos e erramos, mas não evoluímos com os erros, os repetimos mais e mais, por que erros de ambas as partes se repetem mais e mais, estamos andando em círculos.
Somos e estamos agindo como macacos selvagens que quando enjaulados, ao nos habituarmos a receber refeições sempre nos mesmos horários, ao não recebê-las, quebramos todos os objetos da jaula, tentamos arrancar as grades, urinamos para todos os lados, sendo que sequer deveríamos estar em uma jaula, somos da selva, a natural, sábia, não a selva de pedra por nós, evolução dos símios, criamos com todos seus vícios, erros, impulsos, ambições e doenças coletivas.

Sempre foi mais fácil destruir do que construir, assim como é muito mais fácil reclamar e quebrar, agredir, do que construir, pensar em solucionar.
Estamos presos no aquário com serragem seca ao chão e corremos alucinadamente em uma roda de metal, achando que estamos fazendo algo incrível para nós e os nossos.
O homem como espécie se tornou previsível, incontrolável, revoltado, traumatizado, agressivo ao máximo e ao invés de se tratar cria formas de permanecer dentro da rodinha de metal, correndo e correndo e correndo, sem destino e sem objetivo.
Ao menos o hamster corre para emagrecer e nós, nem isso, somos o país com maior número de crianças obesas do mundo, mas isso é outro problema, problemas de pais despreocupados que executam as soluções mais fáceis, não pensam. 

E assim, caminhamos, ou melhor, corremos sempre na rodinha de metal, dentro de nossos aquários de vidro.

Marcelo Ferla


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.