Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

MIRIAM REVELA TORTURA GRÁVIDA NA DITADURA.


MIRIAM REVELA TORTURA GRÁVIDA NA DITADURA.


Em depoimento, jornalista Miriam Leitão narra o período que passou numa unidade do Exército no Espírito Santo, após ser presa no final de 1972; segundo ela, nua e grávida, além de espancamentos, simulações de fuzilamento e ameaças de estupro, foi torturada com cães pastores alemães e uma cobra jiboia; ela diz que a decisão de trazer a público sua história está relacionada ao atual momento político:

"O país está olhando para seu passado. Estou convencida de que ainda falta um passo: as Forças Armadas devem reconhecer que erraram.".

A jornalista Miriam Leitão, abriu um depoimento inédito em que ela conta como foi torturada com uma cobra, nua e grávida, durante a ditadura (1964-1985).
O texto foi divulgado no site "Observatório da Imprensa", pelo jornalista Luiz Cláudio Cunha (leia na íntegra).
No depoimento, a jornalista narra o período que passou numa unidade do Exército no Espírito Santo, após ser presa no final de 1972. 
Segundo ela, gravida e despedia pelos militares, além de espancamentos, simulações de fuzilamento e ameaças de estupro, foi torturada com cães pastores alemães e uma cobra jiboia.


Segundo Miriam, a decisão de trazer a público sua história está relacionada ao atual momento político. 
A Comissão Nacional da Verdade, que deve concluir os trabalhos no final do ano, apura os crimes do período.
"O país está olhando para seu passado. 
Estou convencida de que ainda falta um passo: as Forças Armadas devem reconhecer que erraram. 
Isso ajudaria o país a seguir adiante", afirmou ela. 
"Sei que estou me expondo, é uma história dolorosa, mesmo sabendo que foi menor, comparando com a de outras pessoas. 
Tenho cicatrizes, mas não me arrependo de ter dado esse depoimento. 
Não tenho mágoa nem ódio, só gostaria que minha palavra ajudasse num esforço nacional para que reconheçam o erro".

post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.