Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sábado, 24 de janeiro de 2015

Mulheres admiráveis.



Cláudia Laitano: bodywatch
Tem os que se espraiam na areia e os que aproveitam o mar.

Tem os que agitam raquetes e os que folheiam jornal. 

Nenhuma dessas distrações de beira de praia, porém, é tão universal e espontânea quanto o “bodywatch”, modalidade recreativa que eu acabo de batizar e que consiste basicamente em observar o doce balanço de quem caminha à beira do mar – não necessariamente com objetivos de prospecção ou inspiração erótica, mas também para isso, que ninguém é de ferro. 

O bodywatch tem ginásio – a praia, qualquer praia – e até hino: Garota de Ipanema, evidentemente.
Há os que praticam o bodywatch com narração ao vivo, mas a observação individual, sem comparação de impressões, elogiosas ou não, é considerada mais elegante e civilizada. 

De forma discreta ou expansiva, o fato é que todo mundo aproveita a praia para admirar a natureza – inclusive, e principalmente, a humana.
Na última semana, uma jornalista foi fotografada na praia por um site sem assunto ou noção. 

A gratuidade da “notícia” (o corpo dela aparentemente não batia com as expectativas do redator) ficou tão evidente que o site não apenas retirou a matéria do ar como pediu desculpas à jornalista – que elegantemente aceitou. 

Fernanda Gentil foi vítima do pior tipo de “bodywatch”, aquele que migra da praia para as revistas de fofocas. 

Seu caso, porém, é exceção: em geral esse tipo de “notícia” não provoca retratação. 

Tempos atrás, Betty Faria foi massacrada por ainda ir à praia de biquíni (“Querem que eu vá de burca?”, respondeu a atriz, de 73 anos). 

Preta Gil é perseguida por paparazzi toda vez que pisa na areia ou vai à piscina (“Engordou!”, “Emagreceu!”). 

Nenhuma publicação, que eu saiba, voltou atrás ou pediu desculpas.
Há algo curioso nessa necessidade de negar o direito à praia a um determinado tipo físico. 

Como se extremos de admiração e repulsa gerassem reações igualmente fortes.

Mas se o desejo é incontrolável e cumpre a função de perpetuação da espécie, o contrário dele, seja lá que nome tenha, é inútil em termos biológicos e precisa ser entendido como uma manifestação puramente cultural. 

Nossa cultura tolera o sexo cantado, falado, vendido, coreografado, mas aparentemente se choca com corpos de verdade na beira da praia.
Talvez não sejam apenas os rígidos e fantasiosos padrões de beleza a causa dessa patrulha da forma física alheia, mas uma dificuldade infantil em aceitar o ciclo da vida (corpos jovens vão envelhecer – se não morrerem antes) e a injusta distribuição de beleza no mundo (alguém sempre vai ser mais bonito do que você). 

Beleza, oportunidades, talento, saúde, dinheiro, nada disso é distribuído de forma equânime, o que é uma pena, mas só os muito tolos acreditarão que isso é motivo para ter vergonha ou se esconder. 

A praia é, sim, a passarela da desigualdade, mas é também a celebração do momento presente, da proximidade com a natureza e do inalienável e democrático direito de olhar e ser olhado – sabendo que a vida escapa ainda mais rápido do que a moça de corpo dourado que vem e que passa a caminho do mar. Por mais cheia de graça que ela seja.

post: Marcelo Ferla
fonte: Zero Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.