Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Falando nisso.



Uma ação contra um dos 100 homens mais influentes do mundo.
O mineiro Joaquim Benedito Barbosa Gomes, ministro aposentado (31.7.2014) do STF, vai enfrentar um problema a que nem todos os famosos ficam sujeitos: é réu de uma ação reparatória por dano moral, ajuizada pelo jornalista Felipe Recondo, por ofensas ocorridas em março de 2013.
Na ocasião, JB chamou FR de "palhaço" à saída de uma sessão do Conselho Nacional de Justiça.
Irritado com a abordagem do repórter, o ministro sugeriu a ele que fosse "chafurdar no lixo". Na ocasião, Recondo trabalhava no jornal O Estado de S. Paulo, dedicando-se à cobertura dos tribunais superiores.
"Decidi entrar com esse processo porque não creio que um agente público possa agredir quem quer que seja sem que responda pelos seus atos", disse Recondo. "Eu estou me defendendo das suspeitas que ele quis levantar sobre o meu trabalho e sobre meu profissionalismo. As únicas coisas que disponho são meu nome e minha carreira."
A ação, subscrita pelos advogados Leonardo Furtado e Danyelle Galvão, foi distribuída para a 15.ª Vara Cível de Brasília e já teve despacho inicial ordenando a citação do réu.
Recondo preferiu não ingressar com a ação quando ainda atuava pelo Estadão, de onde se desligou há dois meses. (Proc. nº 2014.01.1.131431-6).
Uma das 100 pessoas mais influentes no mundo
Foi no dia 5 de março de 2013 que Joaquim Barbosa agrediu verbalmente Felipe Recondo.
Na ocasião, à saída de uma sessão do CNJ, o repórter iniciou uma pergunta:
"Presidente, como o senhor está vendo...".
Barbosa então o interrompeu rispidamente:
"Não estou vendo nada. Me deixa em paz, rapaz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre".
O ministro continuou os ataques verbais até entrar no elevador, quando chamou o repórter de "palhaço".
Horas mais tarde, assinada pelo secretário de comunicação do Supremo, houve uma curiosa nota:
"Em nome do presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, peço desculpas aos profissionais de imprensa pelo episódio ocorrido hoje, quando após uma longa sessão do CNJ, o presidente, tomado pelo cansaço e por fortes dores, respondeu de forma ríspida à abordagem feita por um repórter. Trata-se de episódio isolado que não condiz com o histórico de relacionamento do ministro com a imprensa.

O ministro Joaquim reafirma sua crença no importante papel desempenhado pela imprensa em uma democracia. Seu apego à liberdade de opinião está expresso em seu permanente diálogo com profissionais dos mais diversos veículos. Seu respeito pelos profissionais de imprensa traduz-se em iniciativas como o diálogo que iniciará no próximo dia 7 de março, quando receberá em audiência o sr. Carlos Lauria, representante do Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ), ONG com sede em Nova Iorque".
Soube-se no dia seguinte que a agressão verbal perpetrada por Barbosa acontecera pouco depois de o jornal paulista requerer, com base na Lei de Acesso à Informação, dados referentes às despesas com dinheiro público de ministros do STF (passagens aéreas, gastos com saúde e reformas em apartamentos funcionais).
Na época, a "rádio-corredor" dos tribunais superiores comentava a autorização que Barbosa dera para a reforma dos banheiros do apartamento funcional que ele próprio ocupava e que custaram, ao STF, R$ 90 mil.
Em outubro de 2013 - pouco mais de cinco meses após a incontinência verbal, houve novo lance: Joaquim Barbosa enviou um ofício ao então vice-presidente do STF, Ricardo Lewandowski, pedindo a este que afastasse do seu gabinete a servidora concursada Adriana Leineker Costa, do TJ do Distrito Federal e cedida ao STF desde o ano 2000.
No documento, JB argumentou que a manutenção da funcionária seria "antiética" pela relação dela com o repórter e que isto "poderia 'gerar desequilíbrio' na relação entre jornalistas que cobrem a Corte".
Lewandowski respondeu que não havia motivo justificável para o afastamento da servidora, mantendo-a em seu gabinete.
Em 2013 Barbosa foi eleito pela Revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Foi também incluído em uma lista de dez brasileiros que foram notícia no mundo em 2013, elaborada pela BBC Brasil.

Marcelo Ferla
fonte: Espaço Vital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.