Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Mulheres admiráveis.



Marcia Tiburi
A questão indígena contra o ódio, pela democracia.
No dia 5 de abril estive no lançamento da campanha Índio é Nós que pode ser melhor conhecida no site: http://www.indio-eh-nos.eco.br/. Apoio pessoalmente a campanha por considerá-la necessária e urgente diante de violências governamentais e ruralistas contra os índios do Brasil. A mobilização em nome dos índios e da demarcação de suas terras é urgente para os próprios índios que vivem humilhados em seu lugar de origem.

Mas também é urgente para todos aqueles que, de um modo ou de outro, se dedicam à democracia em nosso país.

Arte de André Vallias

Do respeito aos povos nativos do Brasil e sua tradição depende toda a nossa história social e política futura. Os povos indígenas são parte do “Brasil recalcado” que precisamos repensar hoje em dia. Considerando que vivemos em um país sem projeto, a questão do desrespeito aos índios e do verdadeiro desprezo que se percebe em relação à questão indígena, se torna grave.

O que vivemos no momento presente é efeito de erros passados que não cessam de se repetir no contexto em que a “terra de ninguém” implica o poder dos mais fortes e mais armados contra populações indefesas. Lembremos dos alemães que até hoje tem que prestar contas quanto ao evento do nazismo. Penso que os índios são hoje (como ontem), de certo modo, como foram os judeus para o nazismo nos anos 40 do século 20 há 70 anos atrás. Compará-los aos judeus no momento do regime nazista é como compará-los a ciganos, negros ou qualquer outro povo assassinado sob regimes totalitários.

Os nossos índios são vítimas de um genocídio que avança, de um etnocídio que se tornou constante cultural da lógica do princípio colonizador que rege o Brasil e que não cessa de se recriar sob todas as formas mais vis.
Diante do ódio manifesto por certos grupos e também por indivíduos particulares contra os índios brasileiros (é impressionante o exemplo da desrespeitosa e antidemocrática manifestação de deputados ruralistas do Rio Grande do Sul em Vicente Dutra no ano de 2013 https://www.youtube.com/watch?v=Kfd8ye6aeHc) torna-se urgente colocar a questão do diálogo que é preciso desenvolver em escala social sobre os índios, seu lugar, seus direitos sociais. E se torna também urgente a exigência de respeito para estes povos em que pese o fato de que o discurso do ódio que se volta para os índios não concebe a necessidade de diálogo.

O discurso do ódio desconhece a própria Constituição. Ele é autoritário. Respeito soa apenas como uma palavra frágil diante da violência que se fomenta por meio desse discurso.
Precisamos prestar atenção no discurso do ódio. De um lado, ele é, para quem percebe seu teatro, um discurso histérico, de outro, ele é perigoso, pois para quem não percebe o seu horror, ele pode até ser empolgante. Fato é que o discurso do ódio serve para sustentar interesses pessoais e de classe. O problema desse discurso é que, pelo grito e pela veemência retórica que beiram a histeria, ele se impõe como verdade mesmo para quem não tem nada a ver com os interesses em jogo. Quero dizer com isso que quem não pensa reflexivamente no seu conteúdo e na sua forma pode se deixar levar pelo afeto odioso que ele move porque esse afeto é prazeroso.

Gostaria mesmo de enfatizar esta questão, pois ela me parece muito grave em termos de formação de mentalidades.

O ódio pode ser um grande prazer que é experimentado facilmente pelas pessoas, por massas inteiras. E mesmo quem não tem nada a ver com a questão indígena na prática – como o ruralista, por exemplo, que em sua paranoia se vê ameaçado – pode se sentir compelido a odiar índios, assim como é possível, pelo discurso, fomentar o ódio a negros, mulheres, homossexuais, pobres, e qualquer “outro” que seja colocado no lugar do que chamamos “minorias”. O lugar daqueles que não tem direitos. O lugar a ser repensado se desejamos de fato a democracia.

Arte de André Vallias

Em outras palavras, quero dizer que aqui no Brasil, mesmo quem não é dono de terras, mesmo quem não tem poder algum, mesmo quem desconhece totalmente a questão indígena, tem muitas vezes ódio de índios.

Talvez seja mesmo um problema de mentalidade. E nesse caso, a nossa mentalidade precisa ser revista porque ela está atravessada por muito ódio. E o que é o ódio? Ódio é um afeto negativo em relação ao outro. Ele não é apenas a raiva, nem tão somente a aversão. Ele é efeito do recalque, daquilo que não se suporta em si mesmo e que é lançado para fora na forma de uma projeção. É a rigidez do pensamento e da sensibilidade (que são uma só e mesma coisa) que impede que se veja o outro com melhores olhos.
O fomento ao ódio não pode ser levado adiante, ele faz mal a todos enquanto destrói a sociedade. O ódio é o movimento concreto contra aquele que é colocado no lugar de um “outro” negativo. Aquele que “deve ser eliminado” como vem acontecendo com os nossos índios.

Não nos sentimos no dever de protegê-los, de apoiá-los, de tentar, com algum mecanismo democrático – o esclarecimento, por exemplo – fazer com que o massacre não continue a se repetir?

Arte de André Vallias

Índios sofrem diversos tipos de violência física e simbólica. Uma rápida busca na Internet fornecerá muitas notícias sobre a violência contra índios. Entre essas violências, espanta o número de assassinatos em estados como o Mato Grosso do Sul (conforme pode ser visto no relatório do CIMI http://www.cimi.org.br/pub/publicacoes/1309466437_Relatorio%20Violencia-com%20capa%20-%20dados%202010%20%281%29.pdf).

Creio que essa violência se torna simbolicamente forte neste ano em que rememoramos o infeliz Golpe Militar, que completou seus 50 anos, data que torna emblemática a consciência da violência estatal contra índios, atualmente muito bem estrutura como descaso, esquecimento e apoio do governo a quem luta com ódio contra os índios.
Convém entrar no site e estudar a riqueza da campanha Índio é nós como proposta de informação e esclarecimento sobre a questão indígena no Brasil atual. 

Quem não se interessa pelo assunto, pode se surpreender. Quem já conhece o assunto, pode se sentir menos só.

Arte de André Vallias

texto: Marcia Tiburi
post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.