Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

sábado, 29 de junho de 2013

Arte.

A história das Matrioshkas

Elas são, sem dúvida, o souvenir russo mais famoso.

Caminhando pela Praça vermelha, em Moscou, podemos encontrar lá e no seu entorno, matrioshkas de todos os tipos, com os mais diversos desenhos, com os mais diversos números de peças, atraindo os turistas que por lá passeiam e consideram indispensável adquirir um dos mais representativos símbolos da Rússia – as simpáticas bonecas pintadas em madeira.



A mais verossímel história da origem das matrioshkas conta que elas, na verdade, tiveram origem no Japão, ou foram por um brinquedo japonês inspiradas. A data exata não é conhecida, mas sabe-se que nos anos 90 do século XIX, a nora de Anatoli Mamantov trouxe do Japão para seu atelier de brinquedos em Moscou – “Diétskoie vospitanie” – uma estatueta do bondoso sábio budista Fukurama. Ela se apresentava com várias estatuetas, umas dentro das outras. O entalhador Vasili Zviozdotchikin, que então trabalhava nesse atelier, entalhou em madeira figuras semelhantes, que da mesma forma colocavam-se umas dentro das outras e o pintor-desenhista Serguei Maliutin as pintou sob os motivos de garotas e garotos.

No entanto, Liudmila Shemratova, funcionária do Museu matrioshka em Moscou, explica que na Rússia, antes do surgimento das matrioshkas, já eram confeccionados ovos de páscoa com peças que se colocavam umas dentro das outras, talvez por isso, no Japão, ao contrário do que se conta na Rússia, afirma-se ter sido inspirada a estatueta do sábio Fukurama nos ovos de páscoa russos. Assim, talvez seja mais certo afirmar que a estatueta de Fukuruma tenha sido inspirada nos ovos de páscoa, no que se refere às muitas peças que se colocam umas dentro das outras, e que as matrioshkas, como bonecas, tenham sido inspiradas na estatueta.

Na primeira matrioshka aparecia desenhada uma garota em trajes típicos populares: sarafan com avental e lenço com a figura de um galo. O brinquedo era composto de oito peças. Os desenhos de meninas alternavam-se com desenhos de meninos e a última figura era de um bebê em fraldas.


O nome “Matriona” era o mais popular nome feminino na Rússia nessa época, foi dele que veio a palavra matrioshka. Hoje denomina-se “matrioshka” somente as bonecas-souvenir pintadas, entalhadas em madeira, que se compõem de algumas peças que se colocam umas dentro das outras. As bonecas pintadas que não se colocam umas dentro das outras chamam-se simplesmente de bonecas torneadas, não de matrioshkas.

No começo do século XX o atelier Diétskoie vospitanie fechou, mas a confecção das matrioskas continuou em Sergueiv Posad, 70 km ao norte de Moscou, num atelier de ensino demonstrativo. As primeiras matrioshkas eram vendidas muito caras, mas de qualquer forma atraiu compradores e teve muita demanda. A confecção de matrioshkas rapidamente se difundiu por Sergueiv Pocad, surgiram os atelieres dos Ivanov, dos Bogoiavlensk, dentre outros. Também mudou-se para lá Vasili Zviozdotchkin. Em torno de Serguiev Posad havia muitas florestas e nelas muitos entalhadores experientes.

A confecção das matrioshkas tornou-se um fenômeno tão difundido que as encomendas chegavam até de Paris. Eram vendidas também na Alemanha, na famosa feira de Leipzig. No começo do século XX teve início uma grande exportação de matrioshkas.


Os desenhos das matrioshkas passaram a ser pintados de diversas formas: meninas com vestidos sarafan, com lenços, com cestas, com laços, com bouquet de rosas, etc. Surgiram matrioshkas que apresentavam jovens pastores tocando flauta, velhos barbados segurando cajados, noivos com bigodes e noivas em vestido nupcial. Não havia limites para a fantasia dos artistas. As matrioshkas eram compostas dos mais diversos tipos para atender ao que é um de seus objetivos – causar surpresa.

Além de temas familiares, havia matrioshkas confeccionadas sob determinados motivos eruditos e culturais. Assim, por ocasião dos 100 anos do nascimento de Nikolai Gógol, foram feitas matrioshkas que representavam os heróis de suas obras, como o personagem Klestakov da comédia O inspetor geral. Em 1912, por ocasião dos 100 anos da Batalha de Borodino (ou Batalha de Moscou – em 7 de setembro de 1812, a maior batalha ocorrida em um dia que as tropas de Napoleão Bonaparte enfrentaram, depois que o czar Alexandre rompe o bloqueio continental contra os ingleses) foram confeccionadas matrioshkas com as figuras de Napoleão e do general russo Kutuzov. As bonecas menores que ficavam dentro destas apresentavam figuras dos companheiros de batalha, membros do Estado Maior General, participantes dos conselhos de guerra.

Muitas matrioshkas foram dedicadas a rituais e ao folclore. Sempre atraiu a atenção daqueles que criam matrioshkas os temas das lendas e contos infantis. Foram representados os contos «O nabo», «O peixe dourado», «Ivan, filho do czar» e outros. As matrioshkas se diversificavam não só nos desenhos, mas também na quantidade de peças que apresentavam. Assim, no começo do século XX, em Serguiev Posad, já se faziam matrioshkas com até 24 peças, e em 1913 o entalhador Nikolai Bulytchev bateu um recorde original confeccionando uma matrioshka com 48 peças. Nesse mesmo ano, em Sergueiv Posad foi organizada uma cooperativa de manufaturas de brinquedos, o que indicava que a demanda havia crescido bastante e que os rendimentos não eram desprezíveis.


As matrioshkas se difundiram e passaram a ser feitas muito além das fronteiras de Sergueiv Pocad, na região de Semionov, na província de Nijegorodski. Eram parecidas em alguma coisa, mas em outras bastante diferentes. Se em Serguiev Posad elas eram pequeninas e campactas, os artesãos de Semionov as entalhavam mais alinhadas, pintavam belas garotas felizes com pequenos xales de cores vivas.

O “vanka-vstanka” – popular brinquedo russo, uma espécie de joão-teimoso – tem origem na matrioshka. O primeiro deles, feito de massa de madeira e papel, foi inventado em 1958 no Instituto de pesquisas científicas de brinquedos em Serguiev Posad. O brinquedo tinha a capacidade de emitir sons e foi fabricado utilizando nova tecnologia, por meio da pressão de ar quente. O autor dessa tecnologia foi o artesão Ivan Moshkin. Dentro do boneco era colocado um pesinho metálico que não o permitia cair, obrigando-o a manter-se na posição vertical.

Ao contar a história da matrioshka é indispensável citar o museu de brinquedos em Serguiev Posad. Ele situa-se a 7 minutos a pé da estação, num belo edifício antigo de dois andares. Para lá se dirigem adultos e crianças de várias regiões do país para ver os brinquedos antigos e contemporâneos. Encontra-se no museu uma coleção inteira de matrioshkas. Entre elas a primeira matrioshka pintada pelo famoso artista Serguei Maliutin, considerado o criador das famosas bonecas, apesar de não ter sido ele o entalhador. Também pode-se entrar em contato com diversas escolas de desenho e pintura: Serguiev Posad, Semionovski, Polkhov-maidanski e outras.



Em 2001 foi aberto em Moscou o “Museu matrioshka”. O museu se encontra no mesmo endereço onde apareceu a estatueta do sábio Fukurama, no atelier de Anatoli Mamontov, na travessa Leontev. Lá encontram-se matrioshkas de todos os tamanhos e com um número de peças que pode ir de 3 até 30. É verdade que a primeira matrioshka, entalhada por Vasili Zviozdotchikin e pintada por Serguei Maliutin, lá não se encontra, dela há apenas uma cópia, mas nem por isso a visita ao museu deixa de ser um passeio interessante. Excursionando pelo Museu matrioshka, o visitante entra em contato com os diferentes tipos de pinturas, inteira-se das diferenças entre as matrioshkas da região de Tver daquelas da região de Semionov.

Simpáticas, surpreendentes e, muitas vezes, engraçadas, as matrioshkas, que pela estrutura foram inicialmente vistas como uma metáfora da continuação da vida (a avó que comporta a mãe, que comporta a filha, que comporta a neta…) vêm agradando há mais de um século, tanto aos turistas que visitam a Rússia quanto àqueles que as recebem como presente de quem por lá passou.


A história das matrioshkas



Museu Matrioshka em Moscou, Dança da Matrioshka


Grande parte das informações presentes no artigo são condizentes com informações do livro Matrioshka de N. N. Aleksakhina, da Editora Naródnoie Obrazovanie, publicado em 1998.


Regina Castro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.