Seja bem vindo ao Blog do Marcelo Ferla

Informativo

Sempre gosto de lembrar aos leitores que este blog tem como intenção trazer à tona a informação, o conhecimento e o debate democrático sobre os assuntos mais variados do nosso cotidiano, fazendo com que todos se sintam atualizados.

Na medida em que você vai se identificando com os assuntos, opine a respeito, se manifeste, não tenha medo de errar, pois a sua opinião é de suma importância para o funcionamento e a real função deste espaço, qual seja, a de levar a todos o pensamento e a reflexão.

O diálogo sobre o que é escrito aqui e sobre o que vem acontecendo ao nosso redor é muito mais valioso e poderoso do que podemos imaginar.

Portanto, sinta-se em casa, leia, informe-se e opine. Estou aqui para opinar, dialogar, debater, pensar, refletir e aprender. Faça o mesmo.

Pesquisa

Custom Search

Calendário

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Admirável mundo torto.


A difícil reconciliação 20 anos após o genocídio de Ruanda.


AFP - Agence France-Presse
Há 20 anos, Frédéric Kazigwemo massacrava os parentes de Cécile Mukagasana, sua atual vizinha na pequena aldeia de Mbyo onde, como em muitas localidades ruandesas, vítimas e carrascos coabitam tentando dificilmente se reconciliar.
Entre abril e julho de 1994, 800.000 ruandeses, principalmente da minoria tutsi, foram assassinados ao longo de cem dias por seus vizinhos, colegas e, às vezes, amigos hutus.





Frédéric, com um grupo de hutus armados com machados e lanças, matou várias pessoas, entre elas dois membros da família de Cécile.
"No início era difícil viver aqui, já que o marido desta mulher matou membros de minha família", declarou Cécile, que fabrica cestos de vime, sentada ao lado da esposa de Frédéric enquanto seus filhos brincam no pasto.
Frédéric foi julgado por um tribunal tradicional gacaca, instância judicial instaurada em 2001, e condenado a uma pena reduzida depois de ter admitido sua culpa e pedido desculpas.
Assim como Cécile, voltou a viver em Mbyo, convertida em "aldeia da reconciliação", segundo uma ONG cristã.
Esta organização ajuda vítimas e carrascos a reconstruir suas casas em troca do perdão e da participação em atividades comuns com o objetivo de encorajar a coabitação e favorecer a reconciliação.
"Antes de pedir perdão, meu coração não estava em paz. Às vezes via os rostos das pessoas que matei. Agora não os vejo mais", confessa Frédéric.
Nas aldeias de Ruanda, as vítimas frequentemente são obrigadas a viver perto dos que massacraram suas famílias há 20 anos.
"Os tribunais gacaca fizeram muito pela justiça e para julgar os assassinos, mas também precisamos que ocorra reconciliação", explica Dieudonné Gahizi-Ganza, fundador da Best Hope Rwanda, uma ONG que aconselha as vítimas de estupros e os filhos das vítimas e dos assassinos.
"Os traumas às vezes podem ser transmitidos de uma geração para outra", declara.
Filho da desgraça
Jean-Baptiste Habyarimana, secretário-executivo da comissão nacional para a Unidade e Reconciliação de Ruanda, lembra que "depois do genocídio havia mais de 300.000 órfãos e 500.000 viúvas. Para eles, não é fácil superar a situação".
Vestine Mukandahiro, que vive em um subúrbio de Kigali, precisou se reconciliar com sua própria filha, nascida de um estupro durante o genocídio.
Ela tinha 13 anos quando, em 1994, quase toda a sua família foi assassinada a machadadas. Conseguiu escapar, mas foi alcançada pelos assassinos, que a estupraram.
"Depois do nascimento, pensava que não ia poder viver com minha própria filha, porque cada vez que olhava para seu rosto pensava no estupro", conta Vestine.
Em sua aldeia é tratada como uma prostituta por ter dado à luz "um filho da desgraça" para a comunidade, afirma.
Vinte anos depois, Ruanda continua o difícil trabalho de reconciliação, apesar dos massacres, cuja lembrança impregna toda a sociedade ruandesa e que foi reavivado pela proximidade do aniversário do genocídio.
As palavras hutu e tutsi foram suprimidas de todos os documentos oficiais, mas seguem presentes no espírito do povo.
A geração pós-genocídio, que não vivenciou as matanças, também deve enfrentar o trauma coletivo.
"Nossa geração deve fazer um grande esforço para estar certa de que o que aconteceu jamais volte a ocorrer", declara Yvette, de 19 anos, que participa do Clube Nunca Mais, onde os jovens de sua geração conversam sobre o genocídio.

post: Marcelo Ferla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião.